Marcas de vinhos mais admiradas do mundo: Cono Sur e Emiliana

La pastina logo

As vinícolas Cono Sur e Emiliana estão entre as 50 marcas de vinho mais admiradas do mundo, segundo a Revista Drinks International. O “The World’s Most Admired Wine Brands” é um ranking anual feito com a participação de renomados especialistas do mundo do vinho, e no ranking de 2018, as marcas importadas com exclusividade pela La Pastina, se destacaram entre as vinícolas mais prestigiadas do mundo, como a Chateau Lafite e Chateau Margoux.

A lista é construída com base numa série de critérios que orientam os jurados durante o processo de escolha. São avaliados: a qualidade consistente e crescente dos vinhos, a região ou país de origem, as necessidades e gostos dos consumidores, além da comercialização e distribuição dos vinhos.

Eu sou suspeito em falar dessas duas vinícolas, em minhas postagens sempre faço minhas harmonizações com os vinhos da Cono Sur ou Emiliana, por serem versáteis e fáceis de combinar e ainda terem um excelente custo X benefício.

Emiliana

A Cono Sur foi a primeira vinícola no Chile a produzir o Pinot Noir Premium e a primeira a exportar. A vinícola acabou se especializando nessa cepa, tanto que é a maior proprietária de vinhedos desta uva no mundo, produzindo 5 milhões de garrafas por ano.

Já a Emiliana é considerada a maior vinícola orgânica do mundo, produzindo vinhos com caráter e personalidade únicos, com a máxima expressão do terroir. Toda a produção é marcada por elevados padrões de qualidade que se refletem em seu extenso portfólio de vinhos de qualidade e elegância, além de serem sustentáveis, orgânicos e biodinâmicos.

A distribuição dos produtos é uma das chaves do sucesso, as marcas podem ser encontradas em muitos pontos de venda sem a necessidade de se desgastar para encontrar.

Serviço:

La Pastina
Site: www.lapastina.com
SAC: 0800-7218881

 

O balét, o vinho a dança e as emoções

P & B

Certas coisas possuem uma sinergia e estão ligadas mais com a alma do que podemos imaginar.

A cadência, o ritmo, os movimentos, tudo enfim representa um conjunto de fatores em seu vocabulário próprio do balé aos vinhos. Ambos ligados á cultura, a história, a momentos especiais e a vida.

O vinho e o balé são poéticos, ambos tem em sua composição, a busca pelo equilíbrio: O balé no corpo o corpo no vinho.

A palavra balé vem do inglês “ballet” que por sua vez foi pega emprestada do francês por volta de 1630. A palavra francesa tem sua origem na palavra italiana “balleto”, diminutivo de ballo (dança), que vem do latim “ballare”, que significa dançar, e que por sua vez vem do grego (ballizo), que significa “dançar, saltar sobre”.

Assim como o vinho, o balé é difundido em todo o mundo pela sua grande expressão alcançada ao longo de anos. O vinho coexiste com o homem e é parte de sua vida, seu alimento, sua cultura e crenças.

Na dança as influências se fazem presentes pelas histórias contadas e representadas, em cada ato, em cada passo obrigatório dado, em cada salto, e na integração de todo o corpo presente.

Nos vinhos as influências existem a medida que se passa a conhecer e depurar o paladar, transitando por sabores e aromas que refletem suas memórias de vida e o inimaginável.

Os ensaios diários e as dores do corpo e da alma revestem de impressionante dedicação ao que é belo e perfeito no balé.

No vinho, as influências de fatores fora do controle do homem, trazem o imponderável, o não programado e exigem o grande cuidado com a videira, e a grande dedicação ao trabalho, fatores que se assemelham na dança: Dedicação e esforço para a busca da perfeição.

Conheci o ballet da Karen Ribeiro, vi sua dança, seu esforço. Li sua história, muito parecida com as histórias dos produtores familiares, muita dedicação. A Karen é alma no palco. Com sua dança realiza sonhos, busca retomar os anseios de cada um que a procura.

Dançar para ela é vivenciar o amor em todo o seu ser, em sua alma, em sua plenitude.

Realiza sonhos, embarca desejos, muda destinos para os que se identificam e se fazem presentes em sua vida.

KR

 

Pinot noir

Para mim, a Karen é como a uva Pinot Noir. É força e delicadeza, leveza e potência em qualidades. Uva difícil de cuidar e se plantar, difícil se achar alguém de tamanha personalidade, como é a uva em toda a sua exuberância.

KR 2

Forma e conteúdo se fundem. Como ela diz: “Sentir. Não “interpretar” reproduzindo gestos e mímicas. Os passos que compõem uma variação ou um Ballet contam ao meu corpo e a minha alma o sentimento. E eu devo me permitir senti-los juntamente com a construção da história que me foi proposto contar”.

“Passos, compassos, tempos, contratempos. Respiração, ligação, continuidade…”

E eu me imagino vendo estes movimentos todos. De força, de amor á arte, e imagino que estou com a taça e a Pinot.

KA 1

Ouço a música, vejo cada passo, e sinto esta total intensidade, esta ligação divina e pouco humana. Consigo apenas dizer que é quase um “Nirvana”, um paraíso, um vácuo que se abre entre sonho e realidade, ser e espírito, na confluência de todas as emoções.

Sapatilha

 

 

Saúde! Saúde sempre Karen Ribeiro!

Karen Ribeiro é bailarina, proprietária da Escola de Ballet: Ballet Adulto KR

http://www.balletadultokr.com.br/BalletAdultoKR/inicio.html

Endereço: Alameda Sarutaiá, nº 113-B – Jardins – São Paulo – SP

Tel.: (11) 3884-4430

 

 

 

 

 

 

 

 

Vinho Maray Pinot Noir é delicado e intenso

IMG_8306

Provei mais uma vez o vinho Maray Pinot Noir 2012 da Almeria.

Confesso que tenho certa dificuldade em gostar desta uva fora da França, mas neste caso, me surpreendi pela qualidade e também pelo custo X benefício.

Um vinho proveniente do Chile e 100% da casta Pinot Noir, uva delicada e tão difícil de ser cultivada, pela sua fragilidade.

Do Vale do Limari, que fica ao norte do país, produzido pela Viña Tabali, conceituado produtor chileno.

De coloração vermelho profundo, apresenta notas de frutas vermelhas no nariz, como ameixas e groselha, integra toques de baunilha, fruto de sua passagem por 10 meses em barricas de carvalho francês.

Sua estrutura em boca é de taninos macios e integrados. Delicado, suave e envolvente, é um vinho para todas as horas. Muito elegante!

A sugestão de harmonização vai para carnes vermelhas e massas com molhos vermelhos leves. Ou mesmo para uma pizza.

IMG_8308

Ideal para acompanhar uma entrada, como queijos e para se beber descontraidamente.

Possui 13,5% de teor alcoólico e seu preço de referência de mercado é na faixa de R$ 60,00.

Vale a pena provar e tenho certeza que ele vai encantar ainda mais seu momento.

 

Desafio de Pinots coloca Califórnia em primeiro lugar

IMG_7512

Estive no Armazém do Barão, loja gourmet localizada no Campo Belo para um desafio de vinhos da uva Pinot Noir.

Cinco vinhos degustados ás cegas, um de cada país e degustados por blogueiros e especialistas do mercado.

IMG_7500

IMG_7496

O Armazém do Barão é um espaço para amantes da gastronomia e de bebidas. Uma grande variedade de vinhos e cervejas pode ser encontrada. E entre massas, molhos e azeites, é possível se divertir com aromas e sabores vindos das mais variadas partes do mundo.

Ambiente aconchegante, loja muito bem montada e localizada, dando ideia de que estamos em casa. As opções não são poucas e os preços muito bons!

IMG_7509

Mas voltando ao desafio dos vinhos avaliados. De forma bem tranquila analisamos cada um deles. No final, entre pinots da França, Chile, Nova Zelândia e Argentina, o vencedor foi o Pinot Noir De Loach da Califórnia, vinho importado pela Wine Experience.

E realmente ele agradou bastante. De corpo mais intenso que uma pinot da França, tem aromas de amoras e morango, um leve toque herbáceo e uma pontinha de pimenta.

O Armazém do Barão fica na Rua Edson, 930, no Campo Belo, em São Paulo.

A loja também oferece espaço intimista para eventos/gourmet, com possibilidade de preparação de pratos, cursos e apresentações (Para até 12 pessoas).

Maiores informações:

Tel.: (11) 5096-2862

www.oarmazemdobarao.com.br