Wine Lounge Vino Mundi, elegância em evento e vinhos

vino-mundi-wine-lounge

Terceira edição reuniu  oitenta rótulos do mais alto nível

O ambiente descontraído e elegante proporcionou a prova de vários vinhos de diversos países, produtores e importadoras.

Mais uma vez a Vino Mundi demonstrou que o bom trabalho resulta em resultados. Na degustação em seu Wine Lounge, apresentou vinhos de alta gama, sem poupar esforços para oferecer o melhor a cada cliente, amigo e degustador.

Já é um evento marcante e consolidado no circuito do vinho em São Paulo, sendo também uma referência para aqueles que se deslocam de outros estados pra ter a oportunidade de provar, conversar e falar sobre vinhos e experiências, em alguns casos diretamente com o produtor e importador.

20181020_165924

Na parte gastronômico, um primor impecável nas mesas e no conjunto de “comidinhas” oferecido. De fazer “salivar” a cada petisco!

Mas vamos ao que nos interessa, ou seja, o ponto alto nos vinhos degustados.

20181020_172319

Não posso deixar de mencionar o vinho que elegi como o melhor branco do evento, o Spier 21 Gables Chenin Blanc 2015 da África do Sul. Sim amigos da uva emblemática daquele país!

Um vinho que me conquistou de cara. Amarelo vibrante com toques dourados e esverdeados. No nariz notas de damasco seco, baunilha, frutas tropicais maduras. Em boca é exuberante com notas de pêssego, amêndoas e uma mineralidade e acidez pronunciadas. O final é longo e persistente com um retro nasal marcante.

Complexo e de grande longevidade é um vinho meditativo para se apreciar em silêncio absorvendo cada nuance de aroma e sabor. Um néctar imperdível ao conhecedor!

Vinho na faixa de R$ 264,00 mas que vale cada centavo investido. Importado pela Wine & Co e presente para venda na Loja Vino Mundi.

20181020_170924

Outro vinho que também sempre me surpreende , ainda falando de brancos, é o T.H. Chardonnay West Limari 2014 da Undurraga, Chile. Vinho de uma elegância que apresenta notas aromáticas de frutas como pêssego, abacaxi e limão e notas florais e minerais. Em boca é untuoso, equilibrado, com toques tostados e grande frescor. Passa 10 meses sur-lie em barricas de carvalho francês. Importado pela Inovini.

20181020_182617

Sobre os tintos me chamou atenção o vinho Angélica Zapata Cabernet Franc 2013. Claro que o nome já diz muito o que se pode esperar e a confirmação da qualidade veio nos aromas e na taça. Vinho que lembra frutas vermelhas no nariz, bem como baunilha. Em boca é sedoso, toques de pimenta preta e eucaliptos, final longo e persistente. Na faixa de R$ 200,00. Importado pela Mistral.

Na faixa de R$ 199,00

Só para encerrar não posso deixar de citar os vinhos Planalto Branco da Casa Ferreirinha do Douro, o Castillo de Jumilla Crianza importado pela Wine Lovers, o Lírica Espumante Crua, espumante brasileiro de alta gama na minha concepção. O Las Moras Intocables Malbec, minha paixão! E toda a linha Garzon do Uruguai, sempre surpreendente.

Finalizando, devo mencionar o caderno de degustação. Muito bem feito, é uma aula à parte. Com informações ao participante de como proceder em uma degustação, o que analisar em todos os aspectos visuais, aromáticos e gustativos, além de falar sobre taças e adequação, um show de cuidado e elaboração!

Saúde e até o próximo!

 

Kaiken da Argentina “engorda” o portfólio de produtos da Qualimpor

Kaiken logo

Produtor da Viña Montes do Chile é o proprietário da vinícola

A vinícola já é nossa conhecida e muito conhecida no Brasil. Localizada no coração de Mendoza, foi adquirida pelo fundador da Viña Montes do Chile, Aurélio Montes.

Os vinhos Kaiken são uma combinação do terroir argentino com o talento dos profissionais do Chile. O nome foi inspirado em um ganso selvagem, que consegue atravessar a cordilheira voando muito alto. É uma alusão aos vinhos de dois países e se são produzidos por conhecedores dos dois lados da fronteira, levam o melhor em sua concepção.

Kaiken terroir (2)

Para quem não sabe, a Qualimpor é uma importadora criada em 1995 por João Roquette e hoje bem posicionada no mercado brasileiro com seus vinhos e azeites portugueses, espanhóis e agora a primeira vinícola sul-americana, a Kaiken.

No grande grupo de produtos importados constam vinhos produzidos em três vinhedos próprios de diferentes terroirs: Vistalba, Agrelo e Vista Flores.

São doze rótulos, Estate Sauvignon Blanc, Estate Rosé, Estate Cabernet Sauvignon, Estate Malbec, Terroir Series Torrontés, Terroir Series Cabernet Sauvignon, Terroir Series Malbec, Ultra Chardonnay, Ultra Cabenet Sauvignon, Ultra Malbec e os vinhos ícones Obertura e Mai.

A produção total é de sete milhões de litros, sendo boa parte deles destinada para envelhecimento em longo prazo. Exportando para mais de 50 países.

Já tive a oportunidade de provar a maioria deles e posso dizer que se trata de um produto muito bem feito e de qualidade indiscutível.

20181023_085204

Eu provei recentemente o jovem Kaiken Estate Malbec safra 2017. Um vinho na verdade composto de 96% Malbec e 4% Cabernet Sauvignon, permitido pela legislação. Permanece seis meses em barricas de carvalho francês.

Vermelho púrpura muito vivo, frutado nos aromas lembrando ameixas e amoras, com notas de chocolate e tabaco. Na boca é fresco com taninos suaves e delicados.

Ideal para acompanhar massas, carnes leves e pizza.

Referência de preço R$ 85,00 mais ou menos

 

 

Franciacorta é amor a primeira vista

Franciacorta

Love, life and Franciacorta. Perfume, elegância e delicadeza, dentro e fora da taça

Como falar de amor e vinhos sem mencionar a Itália e minhas raizes?

Pensei bastante nas uvas que gosto, na Chardonnay, na Pinot Noir e nos vinhos em geral e só pude imaginar uma uva, ou uvas,  para descrever o que e quem me representaria no amor.

Descobri que o amor é feito de blend, é mescla, mistura, corpo e alma, é passado, presente e futuro. É tradição, são histórias contadas, é o tempo.

Uni meu gosto pessoal e alguns contrastes, bem como certos aspectos individuais que seriam a minha complementação.

Pensei mais uma vez na Itália, berço do vinho, nos significados, nos sinais e claro, no sentimento.

Pensei nos aromas, comparei perfumes, pele, cor, sabor e textura.

Pensei na forma, no corpo, na alma, nas pernas ou lágrimas, na intensidade, no toque nos lábios, nas revelações, nas descobertas ou redescobertas.

Na evolução… na taça, na garrafa… no ontem, no hoje e no amanhã.

Pensei nas borbulhas, na picância, no desejo…

Me dei conta que assim como no amor, o vinho não pode ser enjoativo, ele tem que ser crescente, tem que permanecer, fazer sua graça, dançar na leveza e nas borbulhas, na língua, no olhar, no corpo em si.

Pensei ainda na autenticidade, na profissão, no ensino e aprendizado constante.

No conhecimento da língua, nas origens e onde tudo começou.

franciacorta-paesaggio

Onde o amor começou… ele sempre!

Meu pensamento não alcança, mas meu coração e sentimento sabem que a visão do hoje é reflexo de um passado distante, e veio de pai para filho, tal qual a terra em suas gerações, emanações do passado em reflexo presente.

Aí sim pensei: O amor é blend e como mistura leva a característica de várias uvas, semelhantes as qualidades, cada uma em sua parcela onde uma complementa a outra.

Franciacorta, método tradicional, “Champenoise” que o tempo prepara, espera, invade, torna sutil e complexo.

O conteúdo, nele, com ele, completo nele.

Nada como representar o amor pelo perlage, as borbulhas, lembrando do impacto do beijo, o estalo na língua.

Mil vidas, mil..cor..ações em ações que um Deus compreende na composição das telas, das teias, da terra, da vida!

Vem da Chardonnay, da Pinot Noir e da Pinot Blanc, algo que vai da característica individual à complexidade da estrutura formada, feita, lapidada.

Da essência à vivência.

Provar um Franciacorta, é mudar a perspectiva de tudo aquilo em que já se acreditou, vivenciou, viveu.

De taça em taça, em paradas muitas, sem sentido, sem emoção, sem verdades e sem esperanças… até chegar aqui, provar, sentir, se deliciar…complementar.

Franciacorta é a experiencia que muda uma vida e sua visão de mundo, sua ótica, sua perspectiva, seu sentir

É redundância, é pele, são corações.

É alma gêmea.

É amor a primeira vista!

Francia

Consórcio com representação de 17 vinícolas da Itália aposta no mercado brasileiro

Chianti

Produtores de Chianti desembarcam em São Paulo para reuniões e degustações

O Consorzio Vino Chianti desembarca em São Paulo no dia 19 de outubro, uma sexta-feira, com uma comitiva de representantes de 17 de suas mais expressivas vinícolas para uma série de ações que incluem reuniões com importadores de diversos estados do Brasil, além de degustações para profissionais do segmento.

Com reuniões B2B entre agentes das vinícolas e importadores de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Rio Grande do Sul, o consórcio tem o objetivo de promover negócios e ampliar a presença dos vinhos de Chianti na América Latina.

Além disso, haverão degustações conduzidas por enólogos que irão apresentar as principais características dos rótulos de Chianti ao mercado brasileiro.

As vinícolas que integram a programação de atividades em São Paulo são:

Tenuta di Artimino, Camperchi, Villa Travignoli, Cantina Sociale Colli Fiorentini – Valvirginio, Val di Botte, Casa Vinicola Bartali, Podere Marcialla, Vi&Mo – Azienda F.lli Cei, Fattoria L’Arco, Guidi 1929, Il Palazzo, Fattoria Betti, Fattoria Montecchio, Podere dell’Anselmo – Fabrizio Forconi, Vino Sorelli, Pieve de’ Pitti e Fattoria Il Muro.

Chianti garrafa

Os vinhos de Chianti

Considerar a história dos vinhos italianos é considerar a história do próprio país. Os vinhos da Itália estão entre os melhores do mundo por conta do solo e clima favoráveis, ampla variedade de uvas e práticas de viticulturas trazidas há milhares de anos pelos gregos, que já conheciam a importância da viticultura quando batizaram a região de “Enotria” ou “Terra dos Vinhos”. Além da qualidade, o país se tornou um dos maiores produtores de vinhos no mundo. Em 2017, foi o principal produtor do continente europeu, à frente da França e da Espanha.

Com territórios nas províncias de Florença, Siena, Pisa, Pistoia, Prato e Arezzo, a região de Chianti é uma denominação controlada, ou seja, só podem ser chamados vinhos de Chianti os rótulos elaborados ali e que atendam a determinadas especificidades de microrregiões e envelhecimento.

Atualmente, são protegidos pelo Conzorcio Vino Chianti cerca de 3 mil fabricantes, com mais de 15.500 hectares de vinhedos, que produzem 80.000 hectolitros de vinhos Chianti – que tem a uva Sangiovese como uma das responsáveis por seu sucesso.

As uvas que predominam nos vinhos de Chianti são: Sangiovese, Canaiolo (Tintas), Trebbiano e Malvasia (Brancas).

Galo

A Lenda do Galo

Em meados do século XVII, as disputas políticas envolvendo as cidades de Siena e Firenze (Florença) quanto à extensão territorial de cada uma alcançaram também a denominação dos vinhos Chianti. Para resolver essa questão, foi proposta a realização de uma prova para a delimitação das fronteiras.

A prova, uma corrida, envolveria um cavaleiro de cada cidade que deveria sair em direção à outra assim que o galo cantasse na alvorada. A fronteira seria o ponto onde eles se encontrassem. Acertado isso, o povo de Siena elegeu um galo bonito, jovem, bem nutrido para cantar na alvorada enquanto que o povo de Firenze escolheu um galo negro, magro e mal alimentado. É claro que o galo de Firenze acordou mais cedo, pois tinha fome, e cantou antes do galo de Siena fazendo com o que o cavaleiro de Firenze tivesse boa vantagem.

Essa vantagem fez com que os cavaleiros se encontrassem já bem perto de Siena e, como consequência, a cidade de Firenze conquistou um território maior que a vizinha. Dizem que essa disputa também levou para Firenze a exclusividade do nome Chianti que é representada nas garrafas por um galo negro.