Portugal investe pesado no Brasil com ações exclusivas de vinhos em supermercados

Vinhos de portugal

Festival de vinhos promovido pela Associação de produtores de Portugal acontece em supermercados de todo o Brasil

Com as restrições de estabelecimentos como bares e restaurantes ocorridos devido a pandemia, os supermercados acabaram por registrar um aumento nas vendas de vinhos. Entre fevereiro e maio deste ano, o crescimento foi de 50% nas regiões Sul e Sudeste, e de 35% nas regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste.

O momento é promissor para o setor supermercadista, embora todo o desafio existente.

Com esta “nova demanda”, os Vinhos de Portugal vão promover, entre os dias 23 de outubro e 1° de novembro, o Festival Vinhos de Portugal no Brasil.

A ampla e inédita ação será focada no varejo e a entidade que representa os vinhos portugueses estabeleceu uma parceria com a ABRAS – Associação Brasileira de Supermercados, que irá ativar seus 96 mil estabelecimentos associados, para, no período, ampliarem a oferta de vinhos portugueses em suas prateleiras.

Os estabelecimentos receberão treinamento ministrados por diversos especialistas de vinhos que tem a coordenação e interface nas ações de Carlos Cabral, especialista em vinhos e vinhos portugueses.

Os investimentos são da ordem de meio milhão de euros. O objetivo é ampliar o consumo e o conhecimento sobre os vinhos de Portugal, já que temos disponíveis mais de mil rótulos de 14 regiões, e mais de 250 tipos de uvas.

Hoje, o setor de supermercados representa quase 70% das vendas de vinhos no Brasil e foi responsável, em 2019, por 31% da importação e venda de vinhos portugueses no País. É um segmento que a cada dia está mais presente no cotidiano do brasileiro, principalmente os novos consumidores, que aprendem adquirindo vinhos em promoção e com o tempo vão exigindo outros vinhos, mais elaborados, com mais prestígio e mais caros.

Os supermercados participantes do Festival Vinhos de Portugal vão contar com materiais exclusivos para os espaços reservados aos vinhos portugueses que participam da campanha.

Os materiais e os treinamentos serão fornecidos e oferecidos pelos Vinhos de Portugal sem custos para os estabelecimentos.

Vinho que fala a mesma língua

Portugal ocupa, desde 2016, a 2ª posição no ranking de importação de vinhos no Brasil. No primeiro semestre deste ano, registou crescimento de 16,8% em nosso mercado, com aumento de 17,2% em volume e de 18,6% em valor.

O sucesso se deve aos rótulos em nosso mercado, como o surgimento de importadores exclusivos de vinhos portugueses e o grande fluxo de turistas brasileiros que elegem Portugal como seu primeiro destino internacional, devido à familiaridade com o idioma e preços atrativos em passagens aéreas.

Durante o festival, mais de 1.500 novos vinhos serão apresentados por quase 200 vinícolas, que além de fornecerem suas já tradicionais marcas, querem apresentar novidades recentes, fruto de grandes investimentos nas áreas agrícolas, com a implantação de novos vinhedos e tecnologia, e os mais modernos equipamentos auxiliando a enologia. Os Vinhos de Portugal também fornecerão suporte e informações para importadoras e supermercados interessados em importar estes novos rótulos para o mercado brasileiro.

 

Clube de Vinhos e Market Place da Casa Vitis: Fácil acesso aos vinhos brasileiros

23-vinhonavila-Posts-feed

Sistema de assinatura garante a experiência e o know how nas escolhas

Se você é um apreciador de vinhos brasileiros e quer garantir qualidade nas escolhas e indicações, o Clube de Vinhos da Casa Vitis te ajuda nesta busca e na acessibilidade ao vinho brasileiro.

Confesso que sou um pouco avesso aos clubes de vinhos por gostar de eu mesmo fazer as escolhas. Mas no meu caso além de eu ter acesso aos vinhos de importadoras e produtores brasileiros, conheço um pouco do mercado em função da profissão de jornalista.

Adquirir um vinho brasileiro sempre foi uma dificuldade em função das taxas e preços que chegavam em São Paulo e da pouca distribuição por aqui nos pontos de venda.

Mas quando se tem a opção de um Clube de Vinhos Brasileiros e um Market Place, com a escolha de quem conhece e já trabalha com os produtos, tudo fica mais fácil e dá segurança na escolha daquele que sabe da qualidade dos nossos vinhos.

Fica difícil para aquele que desconhece o mercado saber como fazer uma escolha adequada e acessando os e-commerces de vinhos em compras solitárias.

O Clube de Vinhos da Casa Vitis vem com indicação de produtos que passaram por anos nos eventos realizados como o Vinho na Vila e o Sparkling Festival, garantindo o know how em cada escolha e em cada uma das suas três opções de assinaturas.

O clube foi dividido em categorias, sendo a primeira o “Descolado” (2 vinhos por mês) á partir de R$ 139,00.

O segundo nível, vamos dizer assim, é o “Entendido” (4 vinhos por mês), na faixa de R$ 249,00  e o terceiro e especialíssimo nível é o do “Enófilo” (6 vinhos por mês) á partir de R$ 319,00.

Também há a possibilidade de fazer sua assinatura de três formas:

– Mensal: Mês a mês, você decide quando receber as boxes conforme a sua escolha.

– Trimestral: Nesse plano, você ganha um passe anual para degustação gratuita nos eventos e um cupom de 50% de desconto em um ingresso de degustação à sua escolha, em um mesmo evento ou outro a sua escolha.

– Semestral: Nesse plano você ganha uma taça oficial do clube (na primeira assinatura de 6 meses), um passe anual para degustação gratuita em um de nossos eventos e acesso a compra de um par de ingressos em qualquer outro evento ao longo do ano a preços de lote promocional.

20200725_085153

Quer saber mais como tudo isto funciona? Só clicar em: https://casavitis.com.br/clube/

Quer ter um DESCONTO especial na adesão? Só colocar na sua adesão o código: clubecv

Além do Clube o Market Place está ativo, possibilitando a compra de vinhos brasileiros fora do clube, com vinhos de pequenas parcelas e diversidade.

Obs: Os passes para degustações ficam cumulativos para 2021 em função da pandemia de covid, caso não possam ser utilizados este ano (2020).

Aproveite! Saúde!

 

ValleBello, vinho brasileiro com sotaque próprio

20200711_185454

Harmonização do vinho da casta Alvarinho com bife de chorizo e risoto

Alguns podem me perguntar o porquê sugeri e fiz esta harmonização entre um vinho branco e uma carne, juntamente com um risoto de cogumelos variados e palmito pupunha.

Para entender os porquês de cada harmonização é necessário conhecer bem o vinho e suas características bem como o prato que se quer elaborar, condimentos e forma de preparo.

Há duas formas de se harmonizar vinho e comida, ao menos são as formas que utilizo para conceber algo que será preparado dentro das condições que cada pessoa possa ter no que se refere á ingredientes e também a vontade do que comer.

A primeira forma consiste em adequar o prato ao vinho escolhido. A segunda é o contrário, já definido o prato que se pretende elaborar, partir para a busca ou escolha do vinho, levando em consideração todos os aspectos do prato.

Neste caso o vinho veio primeiro, foi um recebido de amigos que pediram para eu experimentar e avaliar. Á partir dele elaborei o prato que descrevo abaixo.

Na verdade quando recebi o vinho, e como sempre faço, busquei informações á respeito da casta, do solo, das descrições possíveis em alguma ficha técnica e também da parte das descrições do próprio rótulo como teor alcoólico, passagem ou não por barricas e até mesmo quantidade de garrafas produzidas. Isto tudo para poder “entender” o vinho e imaginar o que dele esperar na degustação e harmonização.

Feito isto tudo ficou mais claro, aliando minha vontade quanto ao que eu gostaria de comer.

Foi aí que decidi dentre algumas opções disponíveis, buscar o que mais me agradaria.

20200712_120436

O PRATO

Nesta escolha veio um risoto de cogumelos variados, elaborado com cebola, cebolinha, azeite, manteiga e um bom tempo de apuração na panela. Juntando isto tudo ao arroz arbório, nosso risoto ficou pronto. Mas tanto o vinho como o risoto, pediam algo mais consistente e decidimos por um bife de chorizo alto, temperado com ervas (Como o tomilho e salsinha), alho, sal e pimenta do reino e que em seguida foi “selado” em fogo brando até que a carne ficasse cozida por fora e levemente mal passada por dentro, ou seja, lentamente no fogo.

E no final o prato terminado além de lindo, ficou excepcional em cada garfada e a cada gole do vinho.

Bem, mas vamos ás considerações tanto do vinho e suas características como do prato.

O vinho apresenta cor amarelo quase ouro com toques esverdeados. Nos aromas frutas cítricas bem evidenciadas por um limão. O mesmo limão é confirmado na boca, acentuado por grande acidez e persistência final.

Bem diferente dos Alvarinhos da Espanha e Portugal, este vinho brasileiro de Monte Belo do Sul, Rio Grande do Sul, na Serra Gaúcha, é produção da família Lazzarotto. Passa pelo processo de Bâtonnage ficando em contato com as borras por 12 meses em tanques de aço inox.

Envasado com pequena parcela de de leveduras mortas, o tal “Sur lie”, acaba conferindo ao vinho sua complexidade em sabores e aromas únicos.

O que pude observar é que embora o vinho seja branco e novo (Safra 2019), ele pede pelo seu nível de acidez, um bom prato de comida. Tomar o vinho unicamente não seria tão prazeroso quanto tomar acompanhado de um belo prato.

20200712_120422

Escolhi o risoto de cogumelos variados e palmito pupunha (Para dar uma certa crocância que eu queria) e também o bife de chorizo, justamente para que o tempero não interferisse nem no risoto e nem no vinho. A carne com sua gordura harmonizou com o vinho justamente na questão da acidez.

Busquei a unicidade de sabores e aromas, coisa que faço em cada prato elaborado e nas degustações pareadas.

Como sempre digo, é preciso experimentar, conhecer o universo da gastronomia e dos vinhos, para ter o melhor resultado na harmonização.

Para adquirir os vinhos enviar direct para: @diana.oliveira ou quevinholevar

Tente! Experimente! É só assim que se aprende!

Saúde!

 

Santa Digna Gran Reserva Carmenérè do Chile e as harmonizações

20200326_134056

Vinho da Miguel Torres Chile importado pela Qualimpor combina com massa leve e queijos!

O sabor da Carmenérè (85%) e leve toque de Cabernet Sauvignon (15%) conferem a este vinho a facilidade da harmonização com uma massa leve, queijos e o que sua imaginação permitir!

A origem do vinho é Curicó no Chile. O vinho carrega toda a tradição e know how da Família Torres da Espanha, levando em consideração o “terroir” chileno e suas variáveis.

Com notas aromáticas herbáceas e especiarias, apresenta em boca leve pimentão verde, tem boa acidez e toque tostado.

A Harmonização – Gnocchi de “bolinha” 

20200405_114017

Para o molho do gnocchi utilizamos a leve doçura da cebola e dos tomates, juntamente  com o  manjericão, basicamente isso, ressaltando o sabor da massa em combinação harmônica e suave.

O gnocchi “bolinha” foi feito com praticamente 80% de batata, o prato harmonizou perfeitamente com o vinho e suas características, já que aqui o intuito foi aproximar os sabores e com isso somar no paladar.

Por vezes testamos estas combinações, fugindo do padrão da carne e outros molhos.

A ideia foi propor o simples e leve para poder apreciar os sabores de cada um dos elementos e engrandecer o vinho na taça.

20200405_114026

A prato bem simples vai ao forno com parmesão por cima para dar uma ligeira gratinada. Neste caso o gnocchi não é cozido previamente já que a batata é toda cozida. Vai ao forno e integra os sabores.

Outras harmonizações

20200327_174958

Claro,também é possível harmonizar com queijos e foi isso o que também fizemos. Unimos a contraposição de sabores, evidenciando os queijos e o vinho. No caso queijos fortes como o parmesão  e o gorgonzola, e o vinho? A este surpreendeu nesta junção de sabores e consistências!

Mas voltando ao vinho, em muito tempo que aprecio os vinhos da Miguel Torres Chile. Tive a oportunidade de conhecer a propriedade, almoçar em seu restaurante e saborear cada uma das suas linhas, sempre em constante evolução e preocupação com o meio embiente e seus funcionários.

O vinho é importado pela Qualimpor, empresa digna de todas as melhores referências em todos os seus vinhos.

Além da linha Santa Digna, também importa os vinhos Hemisfério, Cordillera, os especiais Manso de Velasco e o Escaleras de Empredado, estes dois últimos realmente sensacionais.

Os vinhos estão disponíveis em lojas especializadas, mercados e empórios.

Saúde!