Plataforma Wine Paths conecta consumidor ao turismo de vinhos e destilados

 

Wine Paths convite

Tudo aquilo que vem para facilitar o agitado mundo tecnológico e de vida é sempre bem vindo.

Estive na apresentação e lançamento da plataforma Wine Paths aqui em São Paulo e não poderia deixar de citar que meus olhos brilharam com a facilidade oferecida.

A plataforma não só promete, como conecta o consumidor a destinos turísticos ligados ao mundo dos vinhos, da gastronomia e hospedagem e também dos destilados.

Bastam alguns clicks e já é possível identificar e escolher roteiros e experiências em várias partes do mundo, nos estabelecimentos interligados á plataforma, hotéis, restaurantes, vinícolas e destilarias, seja por meio de agentes locais (Que são os grandes conhecedores da atividade de cada região), como por meio da própria escolha e definição no site/plataforma, pelo consumidor.

 

França

Atualmente são 13 países e mais de 90 destinos que conectados facilitam a busca na hora da organização da viagem sem as surpresas de que o viajante não será recebido ou poderá encontrar em seu destino, as portas fechadas por alguma razão não prevista.

A ideia dentro de um padrão elevado de qualidade é assegurar que o viajante “construa suas experiências” com base sólida na realização do seu “sonho de viagem” de forma organizada e positiva.

A liberdade para a escolha é ampla e total ao viajante e o mais importante, com suporte as escolhas feitas, seja através do contato com especialistas locais ou mesmo na escolha feita em cada destino pelo próprio usuário.

Claro que ao longo do tempo serão agregados mais destinos e mais parceiros, tornando o sistema de busca completo em cada localidade. Mas já é bem possível definir roteiros com segurança e confiabilidade, e o melhor, sem custo ao consumidor.

A plataforma/site funciona em inglês, por razões óbvias de integrar o mundo todo em uma única linguagem e com rapidez nas definições em cada destino/escolha.

Wine Paths logo marca

 

 

 

 

https://www.winepaths.com/

Com certeza em meu próximo destino ligado aos temas gastronomia, vinhos, viagens e destilados que são as minhas paixões, irei buscar roteiros e indicações em cada localidade pela Wine Paths!

É bom, é confiável e o melhor, é de graça!

Saúde!

 

Barbarela Turismo é ótima opção para amantes de viagens

Barbarela 1 (2)

 

barbarela_banner4

Conheci a Barbarela Turismo por acaso, aqueles que nos dão a confiança de ter encontrado um amigo de muitos anos.

Desde então passou a ser a minha agência de turismo oficial. Tanto para viagens internacionais, reservas de hotéis, como para as nacionais ou qualquer outro serviço ligado ao turismo.

É uma agência que trabalha com uma proposta diferenciada no mercado: Atendimento personalizado ao cliente, tudo de acordo com o gosto, a necessidade ou o bolso.

Não há nada melhor do que a satisfação de ter um sonho, uma viagem realizada. E mais, de poder desfrutar de um serviço impecável, cotações de preços e muita, mas muita atenção aos detalhes.

Barbarela 2 (2)

A Barbarela elabora roteiros feitos sob medida para que a sua viagem seja exatamente da forma como planejou. Sempre buscando os melhores custos e a melhores alternativas ao cliente.

A missão é trabalhar para que se possa desfrutar da satisfação de viajar em sua plenitude, deixando as preocupações do dia a dia de lado.

No mercado há 10 anos, desde 2014, também se especializou em Enoturismo. Oferece diversos destinos e roteiros que encantam os grandes apreciadores de um bom vinho e boa gastronomia.

Uma empresa séria e comprometida com a satisfação do cliente.

Para maiores informações e contato:

Barbarela Turismo

Tel.: (19) 3826-3440

www.barbarelaturismo.com.br

 

 

 

 

Parma, uma cidade de muitos queijos, presuntos e vinhos – Parte IV

IMG_0268

Acordei cedo neste dia, peguei um táxi e rapidamente já estava na estação de trem de Bolonha. O dia estava nublado, porém muito agradável e propício para uma boa caminhada. Esta era a intenção.

Logo ao chegar comprei meu bilhete em uma das máquinas disponíveis. Fui até a minha plataforma e aguardei meu horário e o trem.

Depois de uma hora de viagem, desembarquei em Parma e sai da estação. Lá fora perguntei em italiano onde ficava o centro da cidade. Desta vez, nada de mapas, apenas o instinto me guiava e com ele sempre o imponderável e as surpresas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Seguindo em direção indicada, cheguei facilmente ao centro da cidade, não muito distante da estação, acompanhando os monumentos. Mas, antes dei uma parada, quando ouvi crianças brincando e o som de cantos que enchiam a praça onde eu me encontrava. Ah, que coisa boa! Criança é igual em todo lugar e é sempre uma alegria poder ver a inocência e o contentamento.

Caminhei pelas ruas de Parma e logo avistei um café, onde me sentei e pedi um Capuccino. Deliciei-me naqueles instantes. A cabeça pensava, o coração batia, e um sentimento único me invadia correspondendo ao momento: Estou aqui, estou na Itália, minhas origens, terra dos meus avós maternos.

Apesar de sozinho, minha alma se encheu de alegria, um mistura de tudo o que eu já havia lido e meus sonhos de garoto, agora estava estampado em meus olhos. Eu via e sentia intensamente o momento.

Caminhei por várias ruas de Parma, me perdi em suas ruas.

Já havia me afastado bastante do centro da cidade e agora já retornava com fome. O tempo passava.

Avistei uma placa onde se podia ler que a casa oferecia vinhos em taças e massas. Meio hesitante entrei. A casa estava lotada. Pedi uma massa e um vinho branco e uma água gasosa e prontamente fui atendido. A massa estava saborosa, recheada de ervas e queijo, assim como o vinho e o azeite de grande qualidade, muito diferente de lugares similares que encontramos em São Paulo, onde a economia se faz até no azeite.

A refeição me trouxe o vigor e depois de andar por muitos lugares, feiras livres, feiras de antiguidades. Ver vitrines de alimentos, queijos, presuntos de Parma e tantas outras coisas, decidi voltar.

Parma 1 (2)

Caminhei mais uma vez em direção a estação, gravando os detalhes das ruas em minha memória para poder recordar. As bicicletas na frente da estação me chamaram a atenção, pelo grande número, assim como também a grande quantidade de imigrantes da África, eram muitos e sempre andavam em grupos.

Percebi que as atividades exercidas por eles eram sempre de venda de objetos baratos. Pensei: Que triste realidade que traz um povo de seu país a outro, simplesmente para terem uma melhor qualidade de vida, bem diferente de onde nasceram.

Muitas divagações, muitos pensamentos cruzaram minha mente e meu lado observador não pode deixar de perceber as diferenças, bem como também o forte cheiro de maconha, na mesma praça que agrupava as crianças brincando. Eram os africanos fumando a céu aberto.

Minha observação me permitia fazer uma leitura de vestimentas de todos que cruzavam meu caminho. Fosse o tocador de gaita de fole, vestido á caráter escocês, fosse a linda moça loira que passou por mim com seu cachorro Dálmata, muito rebelde e sua touca e botas pink. Nada passava desapercebido.

Caiu uma pequena chuva, nada incomodativo, Rumei para a estação e lá comprei minha passagem de volta para Bolonha.

Ao chegar, a fome já batia novamente e decidi que iria ao supermercado mais próximo.

Lanche

Lá, peguei uma baguete, cream cheese, presunto de Parma e queijo Gouda. Além de chocolates que tanto adoro.

Minha garrafa de vinho tinto me esperava no hotel, uma das que eu havia recebido de uma importadora, presente de um produtor da feira Enológica.

Tomei meu banho quente, liguei a TV e preparei meu lanche, cortei o pão sem faca, pois o hotel não disponibilizava estes utensílios, forçando o uso do restaurante.

Na TV ainda pude ouvir a música brasileira que tocava em um comercial: Bom xibom, xibom, bombom, em português, dei risada.

Após o “banquete” adormeci pensando em como seria no dia seguinte, em Veneza.