Vinhos do Alentejo promovem degustação em São Paulo

Vinhos do Alentejo

São Paulo recebe mais uma edição dos Vinhos do Alentejo, dia 21 de Setembro na Unibes Cultural.

As safras alentejanas mais recentes e aqueles rótulos bem memoráveis serão apresentados por mais de 20 vinícolas:

Adega de Borba, Adega de Redondo, Cartuxa – Fundação Eugénio de Almeida, Companhia das Quintas – Herdade da Farizoa, Cortes de Cima, Dona Maria – Júlio Bastos, Encostas de Alqueva, Esporão, Herdade da Malhadinha Nova, Herdade do Mouchão, Herdade do Rocim, Herdade Grande Wines, Herdade São Miguel, Casa Agrícola HMR, J Portugal Ramos Vinhos, Lusovini Vinhos de Portugal, Medeiros, Monte da Capela, Monte do Pintor, Monte dos Cabaços, Monte Novo e Figueirinha, Sogrape – Herdade do Peso, Susana Esteban, Tapada do Fidalgo e Tiago Cabaço Winery.

Este ano, em São Paulo, haverá novidade para consumidores, a “Happy Hour Enogastronômica”. Trade e Mídia terão, como habitual, acesso livre à degustação, das 15h às 17h. Já das 17h30 às 22h (horário alargado), os wine lovers poderão participar de um evento gastronômico, com vinho para venda a copo ou garrafas a preços especiais, petiscos em botecos e muita animação. A entrada tem o valor de R$30,00, com oferta de taça para degustação, e pagamento dos consumos efetuados no local.

Em provas comentadas pelo crítico de vinhos brasileiro Alexandre Lalas. “Antão Vaz & Arinto: Uma Dupla de Respeito”, “Elegância à Alentejana”, “Imigrantes Bem-Vindas” e “A importância da Aragonez” se poderá aprender mais sobre esta região e seus vinhos.

Ao mesmo tempo que decorrem as grandes degustações, os Vinhos do Alentejo iniciam a 5ª edição de “O Melhor Sommelier Vinhos do Alentejo no Brasil”, concurso exclusivo para profissionais ligados ao serviço do vinho em restaurantes, lojas, empórios ou importadoras.

A região do Alentejo é líder do mercado português de vinhos – detém 44% em volume e 44,5% em termos de valor –, segundo dados referentes a 2016 da AC Nielsen. E o Brasil é o segundo principal mercado importador dos vinhos alentejanos no mundo, com cerca de 3,7 milhões de garrafas por ano.

CVRA – Comissão Vitivinícola Regional Alentejana

A Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA) foi criada em 1989 e é um organismo de direito privado e utilidade pública que certifica, controla e protege os vinhos DOC Alentejo e os vinhos Regional Alentejano. 
É também responsável pela promoção dos Vinhos do Alentejo, no mercado português e em mercados-alvo internacionais. Sua atividade é financiada através da venda dos selos de garantia que integram os contrarrótulos dos Vinhos do Alentejo.

Nós do Vinho dos Anjos estaremos lá, acompanhando as novidades e provando as novas safras.

Saúde!

 

De Vinum apresenta os vinhos da Herdade de Mingorra no Rancho Português

Nova Imagem (2)

Almir Anjos e Sofia Uva

Almir Anjos e Sofia Uva

Com a presença de Sofia Uva, foram apresentados alguns vinhos que compõem o portfólio da De Vinum, importadora da marca no Brasil.

Além de muito simpática, a representante da vinícola contou um pouco da história da família e nos apresentou os vinhos.

O almoço harmonizado reuniu imprensa e profissionais do setor, no Rancho Português – Leitão á Bairrada, localizada na Avenida dos Bandeirantes em São Paulo.

Uva 1

Uva 2

Uva 4

Entre bolinhos de bacalhau, alheira e o prato principal, bacalhau a Brás, pudemos provar três dos vinhos de entrada muito leves e adequados ao momento e ao clima. Um branco, um rose e um tinto da linha “Terras d’Uva”.

Todos eles sem passagem em barricas, apenas aço inox. Muito versáteis e bem feitos, provenientes de uvas próprias da propriedade localizada no Alentejo, mais precisamente em Herdade de Mingorra.

Provamos também os especialíssimos vinhos Terras d’Uva Reserva 2012 e Terras d’Uva Grande Escolha.

Dois excelentes tintos que também harmonizaram com o bacalhau.

terras_uva_reserva

– Terras d’Uva Reserva 2012:

Das castas Trincadeira, Alfrocheiro, Alicante Buschet e Touriga Nacional, este tinto apresenta coloração vermelho violáceo intenso, aromas de frutas vermelhas maduras, muito bem integrado no uso da madeira (São 6 meses em carvalho francês e americano), apresentando final longo e prolongado. Teor alcoólico de 13,9%.

terras_uva_grande_escolha

– Terras d’Uva Grande Escolha 2011:

Das castas Alicante Bouschet, Syrah e Touriga Nacional, este tinto apresenta coloração vermelha intensa com reflexos arroxeados. No nariz muita fruta escura em compota. O paladar é extremamente agradável, com boa intensidade de boca, taninos firmes e macios, com presença de chocolate e tabaco, tudo muito bem redondo e harmonioso.

Passagem por 12 meses em carvalho francês. Teor alcoólico de 13,5%.

Grande potencial de guarda até 7 anos.

IMG_7995

Aguardamos as próximas safras do vinho branco, rose e tinto, para conferirmos a leveza e os aromas.

Saúde!

 

 

Linha Monte Velho da Qualimpor: Vinhos que se revelam em cada safra!

Alexandre Delmar

Alexandre Delmar

Ano após ano tenho acompanhado as safras dos Vinhos Monte Velho, da Qualimpor.

Posso dizer que comparativamente é um vinho que vem evoluindo muito.

IMG_6013

Tive a oportunidade de recentemente provar a safra 2012 (vide foto acima) e sem dúvida ele tem um se revelado como uma ótima opção na faixa de preço intermediária. Se mostrou complexo, vivo e principalmente que aguenta alguns anos de guarda, demonstrando vigor e trazendo evolução.

Temos agora no mercado brasileiro a safra 2014 dos vinhos Monte Velho Branco e Monte Velho Tinto.  Elegante, harmoniza muito bem com diversos pratos. Monte Velho é o vinho que traduz muito bem a tradição portuguesa, de confraternização e compartilhamento entre família e amigos.

Produzidos na Herdade do Esporão, no Alentejo, esses vinhos refletem as características do seu terroir e do seu modo de produção, que segue os princípios da produção integrada, rigorosamente adaptados pelo Esporão. Estas práticas sustentáveis são determinantes na qualidade e fertilidade dos solos, na capacidade de proteção natural da vinha e, consequentemente, na qualidade dos vinhos. Hoje, é o vinho mais consumido de Portugal e que melhor representa a região do Alentejo. Know-how e inovação caracterizam o Esporão neste projeto.

Ambos os vinhos são blends de castas em sua maioria autóctones do Alentejo, e conferem carácter e identidade aos vinhos.

Monte Velho Tinto 2014

Monte Velho Tinto 2014 (R$ 67,00) é produzido com as castas Aragonez, Trincadeira, Touriga Nacional e Syrah. Intenso, com boa densidade de fruta, revela equilíbrio e estrutura, apresenta aromas que remetem a frutos do bosque e notas de especiarias.
Harmoniza bem com pratos típicos portugueses e com peixes e aperitivos.

Monte Velho Branco 2014

Monte Velho Branco 2014 (R$ 62,00) é produzido com castas tradicionais do Alentejo: Antão Vaz, Roupeiro e Perrum. Firme, intenso, equilibrado, com um final de boca longo que confirma a sensação aromática de frutas brancas e frescas. Tem apontamentos cítricos, é fresco e versátil, harmoniza bem com peixes grelhados, saladas e aperitivos.

SAC Qualimpor: 0800-7024492
www.qualimpor.com.br

 

Vinícola Dona Maria é destaque no evento de vinhos do Alentejo em São Paulo

Por: Eduardo Morya e Almir Anjos

Tejo 2

No último dia 15 aconteceu em São Paulo a “Prova dos Vinhos do Alentejo” com a realização da Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA) que contou também com a organização da Essência do Vinho e a assessoria da CH2A.

A região do Alentejo foi considerada este ano pelo jornal norte americano USA Today, através de votação, a “melhor região vinícola do mundo para visitar”, devido as suas características históricas, tradições, natureza e culinária.

As tradicionais e premiadas vinícolas do Alentejo, desembarcaram em São Paulo com inúmeros rótulos de brancos, roses e tintos de castas e cortes da região.

Alentejo II

Tejo1

Dentre estas vinícolas, destacamos a Dona Maria que tem seus vinhos importados para o Brasil pela Decanter.

A Quinta Dona Maria, também conhecida por Quinta do Carmo localiza-se em Estremoz e tem sua origem no princípio do Séc. XVIII, produzindo vinhos há mais de 150 anos.

A apresentação dos vinhos foi efetuada pelos representantes da Decanter e pelo próprio produtor, Sr. Júlio Bastos que com desenvoltura comentou sobre o ícone de sua produção, o vinho Júlio B. Bastos, 100% Alicante bouschet, safra 2004, 14,5 % de álcool, elaborado em homenagem ao seu pai Sr. Júlio Bandeira Bastos, ao preço na Decanter  de R$ 783,82.

Este vinho foi elaborado até o momento em apenas duas safras (2004 e 2007). É proveniente de um vinhedo de dois ha com mais de sessenta anos e baixo rendimento (4.500 kg/ha).

Para a produção são selecionadas as melhores uvas, pisadas em mármore, com fermentação controlada também em lagares de mármore, malolática e estágio de quatorze meses em barricas novas de carvalho francês.

Possui cor rubi para granada concentrada, aromas complexos de frutas negras, vegetal silvestre e alcaçuz.

Em boca é equilibrado, denso, com taninos finos e um longo final. Um vinho de guarda que se recomenda decantar para apreciar todas as suas qualidades.

Este e outros vinhos da mostra comprovaram que o Alentejo é uma região diferenciada e que em função de suas particularidades é a “melhor região vinícola do mundo para visitar”.

Estivemos fazendo parte também da Masterclass com o tema “Arte do Corte” que apresentou sete vinhos de alta gama, especialmente selecionados para a apreciação dos jornalistas presentes e com apresentação do crítico de vinhos português Rui Falcão.

Destaque também para o vinho Dona Maria Reserva Tinto 2008. Vinho surpreendente que apresenta coloração rubi viva, aromas balsâmicos, farmácia e um toque animal. Grande intensidade e rusticidade.