Enquanto houver sol…

Sun III

O sol é com certeza o componente principal no desenvolvimento da uva. Nele se concentra a vida e a evolução para a concentração de todas as propriedades que farão da uva, a matéria prima dos bons vinhos.

A maturação das uvas talvez seja a parte mais importante em todo o processo para a elaboração dos vinhos. Sim, porque sem o devido amadurecimento não há o açúcar e sem o açúcar não há a transformação em álcool.

Olhar o céu perto da colheita, sentir as nuvens ou a aproximação de chuvas, tudo isto poderá favorecer a que a qualidade final esteja de acordo com o teor de açúcar na uva, sem o “inchaço” causado por uma eventual precipitação de água.

Tem a questão também do açúcar residual (Pós-fermentação) que pode ao gosto do enólogo, diferenciar seu vinho, trazendo a maciez ou um sabor por ele desejado.

Outro fator é o índice de acidez desejado, também influenciado pela qualidade da uva na maturação.

Claro, o cuidado para que a uva não amadureça demais também é uma preocupação. Imagine a uva já no transporte começar seu processo de fermentação. Bagos “estourados” e calor seria uma combinação pouco desejada.

Fatores que só tendem a estragar a qualidade dos vinhos.

Sun

A exposição ao sol revela o cuidado no plantio, quando as folhas são ou não podadas para que absorvam a luz e processem seu crescimento.

Ao observarmos a luz que incide nas plantações pegadas a rios, observamos que além da incidência no próprio parreiral, há a incidência indireta proveniente da reflexão: Sol, rio, parreiral.

Há de se observar o “terroir” em cada caso e a combinação destes fatores para a obtenção de melhores e maiores resultados.

Ou seja, enquanto houver sol, teremos bons vinhos!

Sun II

 

 

 

 

 

 

 

Degustação: “Mas de Daumas – Gassac”, franceses na essência e na qualidade dos vinhos

É sempre bom falar de vinhos, ainda mais quando se tem uma oportunidade como esta, em vinhos com as características francesas.

Degustamos, nesta tarde, 7 vinhos, sendo 3 brancos e 4 tintos. Todos provindos da França e que são chamados como os “Lafite-Rothschild do Languedoc-Roussilon” pela revista “Gault-Millau” e também como o “Grand Cru do Midi” por “Hugh Johnson”.

A degustação

A vinícola Daumas Gassac é admirada no mundo todo. Seu terroir privilegiado tem características do Médoc, em Bordeaux, o que oferece a oportunidade de se produzir grandes vinhos, com potencial de guarda elevadoe grande longevidade.

Nos vinhos brancos destacamos o Daumas de Gassac Blanc 2009, pelos seus aromas complexos e interessantes, pelo corpo e pela elegância: Um vinho de “Primavera”!

Degustando os vinhos! Show!

Nos tintos o destaque ficou para 2 vinhos:

O Fígaro Rouge 2009, pela fruta, leveza e excelente custo X benefício. E o outro foi o Daumas de Gassac Rouge 2008, considerado o melhor vinho do sul da França e um dos melhores tintos do país, pela complexidade e pelo potencial de guarda (mais de 40 anos: Eu queria chegar até lá para provar!).

Abaixo todos os vinhos degustados:

– Fígaro Blanc 2009: Vinho refrescante onde se destaca a fruta, das uvas: Clairette 30%, Vermentino 30% e Sauvignon Blanc 40%. Ideal para harmonizar com mariscos, ostras, com acidez elevada. 11,5% de álcool. Faixa de preço: R$ 35,00

– Réserve de Gassac Blanc 2008: Um corte das uvas Sauvignon Blanc e Chardonnay, idel para acompanhar peixes e massas. Um vinho fresco de verão, com toques de limão e aroma de frutas, que não passa por madeira. Teor alcoólico 13%. Faixa de preço: R$ 76,00.

– Daumas de Gassac Blanc 2009: Composto pelas uvas Viognier 30%, Chardonnay 30%, Petit Manseng 30% entre outras. Um vinho com estrutura, aromas frutados, com leve toque mineral. Vinho que pode ser guardado e apresentar toda a sua complexidade e evolução na garrafa. Teor alcoólico 13%. Faixa de preço: R$185,00.

– Fígaro Rouge 2009: Um vinho para o dia a dia. Uvas: Carignan 50% e Grenache 50%. Frutado, aromático, leve e muito interessante em nosso ponto de vista. Leve doçura no palato e excelente preço. Teor alcoólico 13%. Faixa de preço: R$ 35,00.

– Guilhem Rouge 2009: Um vinho menos adocicado no palato que o anterior. Das uvas Syrah 30%, Grenache 30%, Carignan 25% e Alicante 15%. Teor alcoólico 13%. Faixa de preço: R$ 38,00.

– Réserve de Gassac Rouge 2008: De todos os vinhos, o que menos apreciamos, talvez por pedir “alimento”. Corte das uvas Cabernet Sauvignon, Merlot e Syrah. Teor alcoólico 13%. Faixa de preço: R$ 76,00.

– Daumas de Gassac Rouge 2008: Vinho vinificado como um Grand Cru de Bordeaux. Compexo, elegante, harmonioso e completo! Das uvas Cabernet Sauvignon 80% e os outros 20% de outros 10 tipos de uvas. Teor alcoólico 13% e faixa de preço: R$ 185,00.

Bruna (Sommelier), Sílvio (Goa Bebidas), Renato Spedo (Sommelier)

Claudio e Almir

Enfim, vinhos que compõem um portfólio honesto e que se somam na grande gama de produtos desta que é hoje, considerada uma das maiores importadoras do país, a Mistral.

Saúde amigos!