Miolo e a safra de uvas em 2018. Melhor da década!

Miolo

Com o final da colheita da safra 2018, a Vinícola Miolo tem apenas uma constatação: há pelo menos 6 anos não se via clima tão propício para a qualidade da vindima no Rio Grande do Sul.

Até agora, nesta década, foram 2 safras de qualidade excepcional: A de 2011 e a de 2012, mas nenhuma superará a qualidade da safra 2018.

Nos 3 projetos da Miolo no RS foram colhidos 2/3 do total previsto, que é de 6,2 milhões de quilos de uvas. Desta forma, já é possível afirmar com segurança sua qualidade superior.

O inverno de 2017 foi um dos mais amenos registrados nos últimos anos, com baixo acúmulo de horas de frio (abaixo de 7,2 °C).

Inicialmente isto causou muito temor, pois poderia gerar reflexos negativos na quebra da dormência das gemas das videiras, interferindo no volume de produção em 2018. Entretanto, o bom estado fitossanitário da copa das videiras no pós-colheita de 2017 compensou a falta de frio e a brotação foi vigorosa e uniforme. O frio menos intenso do inverno e a primavera com temperaturas favoráveis desencadearam o início da brotação, com 15 a 20 dias de antecipação na maior parte das variedades.

A primavera transcorreu dentro da normalidade, sem altos e baixos de temperatura, o que acarretou crescimento contínuo da vegetação e floração dentro do esperado. Por influência do frio reduzido do inverno, algumas variedades apresentaram menor número de flores por cacho, deixando-os um pouco mais “ralos”, o que influenciou em um peso médio menor. Em compensação, proporcionou uma maturação com ótima qualidade e sanidade nas uvas precoces, normalmente de cachos mais compactados e suscetíveis às podridões.

As chuvas da primavera e início do verão também ocorreram dentro da normalidade climatológica e apenas no mês de outubro houve uma semana com chuvas um pouco mais intensas, que não causaram danos nas variedades que ainda estavam em floração.

O verão vem transcorrendo com chuvas bem abaixo da média por influência do fenômeno “La Niña”, com reflexos muito positivos na qualidade e sanidade da uva. As temperaturas amenas noturnas estão sendo uma constante no período de maturação, com amplitude térmica média de 16 °C, chegando em alguns casos a ultrapassar 20 °C, favorecendo, assim, o acúmulo de matéria corante nas variedades tintas.

Uvas

Há de se levar também em conta alguns outros aspectos:

1) Miolo, Vale dos Vinhedos – A safra começou no dia 3 de janeiro com as variedades Pinot Noir e Chardonnay bases para espumantes, com ótimos resultados para a linha Miolo Cuvée Tradition e para o Miolo Millésime, produzido apenas nas melhores safras. Seguiu-se com a elaboração do Miolo Cuvée Giuseppe Chardonnay e, neste momento, estão sendo elaborados os tintos com a variedade Merlot, finalizando em março com a variedade Cabernet Sauvignon, utilizada para a produção dos vinhos Miolo Cuvée Giuseppe Merlot/Cabernet Sauvignon, Miolo Merlot Terroir e o ícone Miolo Lote 43, este elaborado somente nas safras excepcionais.

No Vale dos Vinhedos o clima transcorreu de forma adequada, com chuvas limitadas e esparsas, acompanhado de temperaturas mais amenas em relação à média normal. A previsão total de colheita é de 700 mil quilos.

2) Seival, Campanha Meridional – A safra teve início no dia 8 de janeiro com as variedades Pinot Noir e Chardonnay bases para a produção do espumante Seival. Na sequência foram colhidas as variedades Pinot Grigio, Sauvignon Blanc, Chardonnay e Viognier, utilizadas nos brancos das linhas Seival, Miolo Seleção e Miolo Reserva. Já a variedade Alvarinho, será colhida em março para o Quinta do Seival.

Para os vinhos tintos a Pinot Noir colhida em janeiro tem agora sequência com as variedades Tempranillo, Touriga Nacional, Merlot e Tannat, finalizando em março com Cabernet Sauvignon e Petit Verdot para as linhas Seival, Miolo Seleção, Miolo Reserva e Quinta do Seival. Finalmente, após 7 anos será elaborada nova edição do Sesmarias.

No Seival o período de grande estiagem a partir de janeiro, surpreendeu pela característica de clima árido, com temperaturas que chegavam a 32 graus durante o dia e, em algumas noites, caíam a 9 graus, propiciando uvas com maturação excepcional – esse fenômeno foi raras vezes observado. Previsão total de colheita: 1 milhão e meio de quilos.

3) Almadén, Campanha Central – A colheita começou no dia 5 de janeiro pela variedade Gewürztraminer, seguindo-se com as brancas Chardonnay, Chenin Blanc, Semillon, Riesling Itálico, Riesling Renano e Sauvignon Blanc – utilizadas na elaboração dos vinhos base espumante e varietais Almadén -, finalizando com a Ugni Blanc. Já para os tintos, a colheita teve início com a Pinotage em meados de fevereiro, seguindo com Merlot e Tannat, com finalização em março com a Cabernet Franc e Cabernet Sauvignon utilizadas para elaboração de todos os varietais Almadén. Também será elaborado o Vinhas Velhas Tannat, o que acontece somente nas melhores safras.

O clima na Campanha Central apresentou-se seco com precipitações muito limitadas, que, potencializadas por seu solo arenoso, propiciaram períodos de longa estiagem. Temperaturas amenas à noite favoreceram a maturação ideal das uvas. A previsão total de colheita é de 4 milhões de quilos.

No final o resultado foi de que foram todos os vinhos cujas safras só são elaboradas exclusivamente em excepcionais anos de colheita. Além disso, uma safra de qualidade como a de 2018, vem coroar todo o trabalho de dedicação e inovação que foi realizado ao longo dos anos em prol da melhoria da qualidade.

Agora é aguardar a comprovação final na mesa do consumidor que é quem dará o veredicto.

E vamos ás provas!

 

 

Vinícola Góes inicia a comemoração dos seus 80 anos com vindima especial

Logo Goes

De 20 de janeiro a 04 de fevereiro, sempre aos sábados e domingos, a Vinícola Góes realiza a sua tradicional vindima.

Este ano em função da comemoração dos seus 80 anos a edição será mais que especial!

A Vindima é o passeio no qual o visitante entra em contato com a história da Vinícola Góes, é levado para conhecer os parreirais, colher e pisar as uvas.

O visitante finaliza seu passeio com um delicioso almoço harmonizado com os rótulos da casa.

O valor do passeio é R$ 220,00 – por pessoa – e inclui almoço, taça de vinho, chapéu e foto personalizada. Crianças de 06 a 12 anos pagam meia e crianças até 05 anos não pagam.

O visitante ainda ganhará um voucher para retirar o vinho que produziu com a pisa da uva.

20170531_123455

Um pouquinho da Góes

Empresas são como pessoas, traçam planos, compartilham momentos, superam crises, escrevem sua história e evoluem com o tempo.

Assim pode ser definida a trajetória da Vinícola Góes, tradicional empresa brasileira que em 2018 completa 80 anos de história.

Desde 1938, de geração em geração, a família de Gumercindo Góes, um dos pioneiros produtores de vinho do Brasil, mantém a dedicação e cuidado na produção das uvas e elaboração de seus vinhos para agradar o paladar brasileiro. Para festejar o octogésimo aniversário, a Vinícola Góes terá diversos momentos de comemoração ao longo do ano, em agradecimento a todos que estão e estiveram compartilhando com a empresa e com seus produtos os bons momentos ao longo de suas vidas.

O primeiro destes momentos é a XII Edição da Vindima, a VINDIMA GÓES 2018, evento muito aguardado por visitantes e turistas de todos os Estados que visitam anualmente a vinícola, trazendo família e amigos.

20170531_130015

Mais sobre o passeio

festa da colheita deste ano será especial e as vendas já começam em dezembro.

A trajetória da Vinícola Góes é contada pelos membros da família e da equipe da Vinícola, dando início ao encontro. Posteriormente, o visitante é levado por um charmoso trenzinho até o vinhedo. Durante o trajeto, é possível se desconectar da cidade grande, aproveitar o clima da região e participar de um bate papo descontraído, onde são apresentadas as curiosidades da região, do plantio e da colheita da uva, reforçando a importância da cultura vitivinícola em São Roque.

20170531_130027

Chegando aos vinhedos, os participantes podem colher as uvas diretamente das videiras. Em seguida o processo da elaboração do vinho é apresentado no interior da área de produção. O enólogo Fábio Góes é quem revela os segredos da produção de boas safras.

Ainda no interior da fábrica, se inicia um dos marcos de todo o evento, a tradicional Pisa da Uva.

Todos são guiados para reviver a história da produção do vinho, de forma nostálgica e encantadora, pisando as uvas ao som de músicas típicas, despertando recordações emocionantes, em meio a muita animação e felicidade.

Para finalizar o passeio, todos são convidados a fazer um brinde de celebração da farta colheita e desfrutar, em meio ao ambiente das videiras, um almoço típico português, acompanhado de toda a linha de produtos da Vinícola Góes. O retorno à sede conclui o passeio, que sempre reserva algumas surpresas.

Nós do Vinho dos Anjos estaremos lá no dia 28/01, em um belo domingo! Saúde!

Serviço:

Evento: Vindima 2018;

Local: Vinícola Góes – Estrada do Vinho Km 9 – Canguera – São Roque ;

Datas: De 20 de janeiro a 04 de fevereiro (sempre aos sábados e domingos e feriado (25) e dia (26);

Horários: 10h, 11h30 e 13h;

Preços: R$ 220,00 – por pessoa – inclui almoço, taça de vinho, chapéu e foto personalizada;

Tel: (11) 4711-3500

Crianças de 06 a 12 anos – pagam meia;

Crianças até 05 anos não pagam

 

Enquanto houver sol…

Sun III

O sol é com certeza o componente principal no desenvolvimento da uva. Nele se concentra a vida e a evolução para a concentração de todas as propriedades que farão da uva, a matéria prima dos bons vinhos.

A maturação das uvas talvez seja a parte mais importante em todo o processo para a elaboração dos vinhos. Sim, porque sem o devido amadurecimento não há o açúcar e sem o açúcar não há a transformação em álcool.

Olhar o céu perto da colheita, sentir as nuvens ou a aproximação de chuvas, tudo isto poderá favorecer a que a qualidade final esteja de acordo com o teor de açúcar na uva, sem o “inchaço” causado por uma eventual precipitação de água.

Tem a questão também do açúcar residual (Pós-fermentação) que pode ao gosto do enólogo, diferenciar seu vinho, trazendo a maciez ou um sabor por ele desejado.

Outro fator é o índice de acidez desejado, também influenciado pela qualidade da uva na maturação.

Claro, o cuidado para que a uva não amadureça demais também é uma preocupação. Imagine a uva já no transporte começar seu processo de fermentação. Bagos “estourados” e calor seria uma combinação pouco desejada.

Fatores que só tendem a estragar a qualidade dos vinhos.

Sun

A exposição ao sol revela o cuidado no plantio, quando as folhas são ou não podadas para que absorvam a luz e processem seu crescimento.

Ao observarmos a luz que incide nas plantações pegadas a rios, observamos que além da incidência no próprio parreiral, há a incidência indireta proveniente da reflexão: Sol, rio, parreiral.

Há de se observar o “terroir” em cada caso e a combinação destes fatores para a obtenção de melhores e maiores resultados.

Ou seja, enquanto houver sol, teremos bons vinhos!

Sun II

 

 

 

 

 

 

 

Eu provei e chorei… 13 Vinhos do Porto. De 1998 á 1900. By “Andresen”

Todos os vinhos provados

Não, não estou brincando. Aconteceu ontem na Expovinis 2012, em degustação programada com o produtor Andresen, de Portugal. Tive a grata, a maravilhosa surpresa de poder provar 13 Vinhos do Porto, em degustação comentada e apresentada por Álvaro Van Zeller. Um privilégio!

Algo para ser lembrado e compartilhado a vida toda, coisa que só o vinho pode proporcionar.

Em cada safra, em cada gole, a mente viajava, imaginava os anos, o trabalho dedicado, a colheita, todo o processo e principalmente todas as pessoas envolvidas ao longo dos anos.

Algo que me toca a alma, os sentimentos, algo mágico e único, especial e verdadeiro.

Não tenho palavras que descrevam tudo o que se passou em minha mente, nas minhas memórias enraizadas ao longo dos anos, e na história da minha vida, das nossas vidas, do nosso mundo…

Eu sorri, eu chorei por dentro, como uma criança que recebe um carinho pela primeira vez… e se delicia.

Sensações que ainda ficarão presentes durante muitos anos.

Nem consigo chegar na parte mais técnica, porque ali estava a prova, de que o vinho é “vivo”, tem vida, evolui, se torna outro.

Ali puxei por toda a memória olfativa, mas também associada á vida como um todo.

Em maior ou menor grau, sei que boa parte destas sensações, foram percebidas por todos os presentes. É como se não acreditássemos no que estava acontecendo, não era real… mas era.

Fomos levados safra á safra, detalhe por detalhe, em cada vinho. Suas particularidades únicas, seu conceito, aquilo que eu chamaria pela primeira vez, de “espírito vivo”.

Deixo este meu pequeno depoimento, para que cada apreciador de vinhos possa saber, que tudo me pareceu muito maior do que é, do que era antes a minha idéia sobre vinhos. E ao mesmo tempo, no envolvimento, perceber que tudo na verdade é bem simples, algo que se consagra na ligação do homem com o homem, da mente com o espírito, do corpo com o palpável e palatável, em uma confluência sinérgica, única e para poucos.

Abaixo as safras provadas e algumas considerações:

– 1998: Não foi um ano Vintage, mas tem boa acidez, não é encorpado, e pelas informações passadas foi difícil chegar á temperatura certa. Aromas de frutos secos como amêndoas, avelãs e um frescor citrino, limão, casca de laranja.

– 1997: Não se percebe o álcool de 20°. Foi um ano bem quente, grande frescor, grande final de boca.

Obs: 1997 e 1995 possui um caráter mais “gordo”, alta qualidade, grande volume de boca.

– 1992: Achei sutilmente menos doce, embora na comparação com os outros, fosse quase idêntico. Elegante, fino e fresco.

– 1991: Colheita. Grande volume de boca, grande estrutura.

Obs: 1992 e 1991 não houve acordo sobre qual seria o melhor ano. Uma “briga”, no bom sentido da palavra.

– 1982: Um vinho de corpo e volume, “gordo”, aveludado.

– 1980: Belíssimo exemplar do vinho, Boa estrutura, complexo, elegante, robusto.

– 1975: Um “falso” Vintage, ou um Vintage “político”. Quase chegou lá. Sedoso, elegante, estruturado e equilibrado.

– 1968: Foi um ano difícil, mas é impossível não gostar.

– 1963: Um ano maravilhoso! Sensacional! Elegante, robusto, ótimo com charutos. Um dos grandes anos do vinho do porto.

– 1937: Um bom ano. O único da prova em garrafa original, (vide os sedimentos e borra na foto). Tem um “Off Flower” nos aromas. Elegante.

– 1910: O que foi isso! Fantástico, sem palavras! Inesquecível! Presente, vivo, elegante, estruturado, fino, robusto.

Safra: 1900

– 1900: Diante disto tudo, eu só posso me calar… Chorar e recordar. Simplesmente um vinho com corpo, alma e espírito!