Brasil é destino crescente de vinhos da Espanha

20191024_154605

Importações triplicaram nos últimos dez anos e São Paulo dispara com 38,44% deles

Um grupo de vinícolas da Espanha desembarcou no Brasil apostando alto no consumo de vinhos daquele país.

A ideia é fortalecer a presença das marcas do país e buscar a ampliação da fatia do mercado brasileiro que hoje é da ordem de 6,7% em valor e 5,96% em volume físico de vinhos.

As vinícolas que estiveram aqui apresentando seus vinhos para os formadores de opinião, jornalistas e profissionais da área foram:

Vinícola Arzuaga Navarro, Bodegas Habla, Bodegas Franco Españolas, García Carrión, González Byass (Considerada a melhor vinícola europeia no último ano), Manzanos, Nexus, Roqueta Origen e Torres.

Nos rótulos apresentados tanto no masterclass como no tasting, modernidade e tradição foram as marcas que concentraram nossa atenção na proposta dos vinhos.

Rótulos inovadores, uvas em cortes fantásticos, safras antigas que revelam a tradição, uvas de plantio atual e modernidade na condução das videiras e no processamento, tudo isto representa a evolução no vinho espanhol, que assim como outros países concentrou seus esforços na busca incessante pelo novo e pelo “vinho na boca” de forma agradável e marcante.

A iniciativa veio por meio do ICEX – España Exportación e Inversiones, entidade público empresarial do Governo da Espanha, através do seu Escritório Comercial da Embaixada da Espanha.

Atualmente a Espanha concentra 70 denominações de origem (DO) e 41 Indicações Geográficas Protegidas (IGP).

Mas vamos ao que nos agradou em uma breve síntese.

Destaco os vinhos da Família Torres, sendo os abaixo muito expressivos e extremamente agradáveis e complexos:

TORRES-SALMOS

– Torres Priorat Salmos 2015:

Vinho corte das uvas Carignan, Garnacha e Syrah, da região do Priorato, é um vinho estruturado que pede comida.

De coloração vermelho e nota profunda violácea traz no nariz muita fruta e mirtilo, notas de tostado e chocolate. Em boca é aveludado, potente e sedoso, em uma integração incrível em todo o seu conjunto.

Passagem em barricas por 14 meses e teor alcoólico de 14,5%. Faixa de preço R$ 305,00

TORRES-PURGATORI

– Torres Purgatori 2014:

Sem dúvida um vinho para amantes de extremos. Corte das uvas Carignan, Tinta Garnacha e Syrah, é um vinho de grande estrutura e presença de boca.

Além das notas como as frutas maduras e negras, tem também um defumado e um lácteo bem marcantes, tem persistência e médio corpo,

Foi o primeiro vinho da D.O. Costers del Sagres da Torres. Com produção limitada é um vinho de guarda muito especial. Teor alcoólico de 14,5%. Faixa de preço R$ 279,00 podendo ser encontrado em oferta em alguns lugares.

LA

– LaFou Els Amelers 2016:

Vinho branco 100% da Uva Garnacha Branca, da Roqueta Origen, grupo vinícola presente em mais de 50 países.

Amarelo claro com toques dourados e brilhantes, surpreendentemente complexo, tanto no nariz como em boca, me agradou profundamente.

Tem notas aromáticas de amêndoas (Árvores de amêndoas são as “Amelers” do nome), com notas cítricas e florais, apresenta em boca um toque herbáceo e mineralidade, além de cítrico e ótima textura e acidez.

As videiras são plantadas em um rio seco pedregoso o que acaba trazendo esta mineralidade e complexidade ao vinho.

Tem estágio de 6 meses em ovos de concreto e 10% do vinho também passa em barricas de carvalho de 300 litros. De vinhas com mais de 40/60 anos.

Preço de venda R$ 247,90 (Safra 2018)

Claro, provei muitos outros vinhos surpreendentes, mas ficaria demasiado longo este nosso texto e espero em outra oportunidade poder trazer mais relatos, de mais vinhos, nesta que é uma crescente presença de vinhos da Espanha no Brasil.

Saúde!

 

 

 

 

 

 

Jovem Importadora Winecontainer apresenta os vinhos da Bodega Iniesta no Café Journal

IMG_5630

A jovem, porém promissora importadora apresentou esta semana, seus vinhos em jantar harmonizado no Café Journal.

O consagrado jogador do Barcelona e da seleção Espanhola, Andrés Iniesta hoje é também um produtor de vinhos em Castilla La Mancha, Espanha.

A primeira safra da Bodega foi em 2010. Sua produção anual é de 1 milhão de garrafas, sendo que 30% desta produção fica na própria Espanha. China e Japão são seus principais mercados/clientes.

Foram apresentadas duas linhas de produtos, a Finca El Carril e Corazón Loco.

IMG_5623

Abaixo os vinhos degustados que foram apresentados:

– Corazón Loco Branco 2012: Sauvignon Blanc 60% e Verdejo 40%. Apresenta aromas de flores e maracujá. Na boca é fresco e cítrico, com final curto porém agradável. 12,5% de álcool.

– Corazón Loco Tinto 2012: Tempranillo 50% e Syrah 50%. Apresenta aromas de frutas vermelhas frescas, com leve nota de violeta. Na boca é leve e frutado, corpo médio, ainda jovem. 13,5% de álcool.

– Corazón Loco Premium 2010: Syrah 40%, Petit Verdot 30% e 30 % de Cabernet Sauvignon. Um vinho que permanece em barricas por 18 meses.  Apresenta aromas de chocolate e baunilha. Na boca é aveludado e com bom corpo com presença de taninos bem marcante. Bastante intenso e de grande complexidade tanto aromática como em boca. 14% de álcool.

– Corazón Loco – Dulce Corazón 2012: 100% Moscatel. Aromático, com notas de frutas como pêssego em calda nos aromas. Na boca é adocicado, ideal para acompanhar sobremesas. Açucar residual de 20g/l.

Além destes vinhos, a importadora tem em seu catálogo vinhos da Itália, África do Sul, Argentina, e França, sendo um dos seus grandes nomes, o cantor Sting, produtor também de vinhos na Itália.

Em breve mais informações no blog sobre a importadora e seus vinhos.

 

 

 

 

Seleção Espanhola de Vinho – Três Denominações, três produtores

Três regiões vinícolas e três produtores da Espanha apresentaram seus vinhos nesta seleção especial para São Paulo em evento fechado para convidados e jornalistas.

Reunindo as Bodegas Saac Winery, da D.O. Manchuela, as Bodegas Latúe da D.O.La Mancha e os da Agrícolas Santa Rosa da D.O. Almansa, pudemos provar alguns itens do portfólio de produtos destes produtores, em busca de importadoras no Brasil.

Provamos seis vinhos, sendo dois de cada produtor na degustação conduzida e apresentada pelo Eduardo Lopes. Além de podermos degustar os outros vinhos no Show room montado especialmente para os profissionais da área.

Os vinhos da mostra foram:

BODEGAS SAAC WINERY

– Altos Del Cabriel 2011: Vinho branco da uva Macabeo 100%. Com 12,5% de álcool e produção total de 300.000 garrafas. De cor amarela palha, toques esverdeados, límpido e brilhante. Aromas de frutas e notas herbáceas. Na boca, fresco e frutado.

– Viñamalea Tempranillo & Syrah 2006: Vinho tinto das uvas Tempranillo e Syrah. Teor alcoólico de 13%. Produção de 50.000 garrafas. Cor rubi intensa. Aromas de frutas maduras e especiarias. Na boca apresenta-se equilibrado e com taninos suaves. Passagem por 9 meses em barricas, harmonioso, com um leve toque animal e marmelo.

ADEGA LATÚE

– Latúe Airen 2011: Vinho branco da uva Airén, com 12,5% de álcool e produção de 200.000 garrafas. No visual, amarelo palha pálido. Aromas de banana e maça. Muito fresco na boca com final persistente.

– Latúe Cabernet Sauvignon & Syrah 2010: Vinho tinto das uvas Cabernet Sauvignon (50%) e Syrah (50%). Com 13,5% de álcool. Produção de 120.000 garrafas. Um vinho elegante e frutado, equilibrado e rico que passa um mês em barricas de carvalho.

AGRÍCOLAS SANTA ROSA

– Matamangos Syrah 2008: Vinho tinto. 100% Syrah, 14,1% de álcool e produção de 20.000 garrafas. Passagem de 5 meses em barricas de carvalho. Cor vermelha intensa, aromas de frutas negras maduras. Na boca boa estrutura e ótimo final. Vinificado em tonéis de 500 litros. Ideal para harmonizar com carnes mais temperadas.

– Matamangos Crianza 2006: Vinho tinto das uvas Monastrel e Garnacha Tintorera. 14,2% de álcool e produção de 23.000 garrafas. Cor rubi intensa e aromas complexos de frutas vermelhas maduras com toques de especiarias.  Na boca um toque balsâmico e bom corpo e estrutura. É um vinho elegante e intenso.

Circulei mais um pouco pelo Show room degustando ainda alguns vinhos e fechei minha noite, satisfeito e incrivelmente feliz pelos vinhos espanhóis degustados.