Vinhos do Tejo em São Paulo: Evolução dos vinhos de Portugal

Tejo

 

O Consulado Geral de Portugal/São Paulo recebeu convidados e imprensa para conhecer os vinhos do Tejo e suas harmonizações gastronômicas no evento “Grande Prova Anual dos Vinhos do Tejo”, realizado pela Comissão Vitivinícola Regional do Tejo (CVRTejo), organizado pela Wine Senses Brasil e assessorado pela Malu Abib Comunicação.

Localizada no coração de Portugal, a região banhada pelo Rio Tejo produz vinhos desde a Idade Média e em passado não distante, tinha seus vinhos conhecidos como zona de produção do Ribatejo. Com uma ação de marketing eficiente adotou a denominação Tejo, associando sua marca ao Rio Tejo símbolo da região (como outros rios de regiões produtoras do mundo), trazendo maior reconhecimento econômico.

A CVRTejo tem grande interesse no mercado brasileiro, promovendo ações contínuas em várias cidades através da “Caravana dos Vinhos do Tejo”, programa que investe na formação da cultura dos vinhos do Tejo.

A grandiosidade do Rio Tejo induz a existência de três zonas vitivinícolas distintas (terroir) na CVRTejo, que produzem vinhos brancos, roses, tintos, espumantes, frisantes, licorosos e colheita tardia:

– Lezíria ou Campo – situada nas margens férteis do rio, com aptidão para produção de vinhos brancos;

– Bairro – situada entre o Vale do rio e os maciços de Mós, Candeeiros e Montejunto, com solos argilo-calcários, ideal para castas tintas;

– Charneca – situada ao sul do campo, na margem esquerda do rio, com solos arenosos aonde são produzidos vinhos tintos e brancos.

Os vinhos DOC do Tejo e Vinho Regional Tejo são produzidos em 17.000 ha de vinhedos, com produção anual de 630.000 hl. A região possui clima moderado, com temperaturas médias de 15,5 – 16,5 graus C, insolação de 2.800 horas/ano e precipitação de 750 mm/ano.

Na CVRTejo temos a presença de castas portuguesas e introduzidas, dentre as quais as brancas: Fernão Pires, Arinto, Verdelho, Sauvignon Blanc, Chardonnay, Alvarinho e as tintas: Touriga Nacional, Trincadeira, Cabernet Sauvignon, Castelão, Aragonez, Syrah, Merlot, Alicante Bouschet.

A prova trouxe quatorze produtores para São Paulo:

Adega Cooperativa do Cartaxo, Agro-Batoreu, Quinta da Badula, Casal Branco, Casa Cadaval, Casal da Coelheira (Centro Agríc. de Tramagal), Soc. Agríc. Casal do Conde, Falua Soc. de Vinhos, Fiuza & Bright, Pinhal da Torre Vinhos, Quinta da Alorna Vinhos, Quinta da Lapa (Agrovia Soc. Agropec.), Quinta do Casal Monteiro e Soc. Agríc. Vale de Fornos, sendo que alguns estão à procura de importador para o Brasil.

Os vinhos provados são elaborados com modernas técnicas vitivinícolas, possuem perfil moderno, agradam facilmente o consumidor e estão presentes em vários países. Citamos apenas alguns:

– Brancos:

DSC08545

Quinta do Casal Branco Alvarinho 2013 e Casal do Conde Alvarinho 2013.

Vinhos característicos com aromas cítricos (flores e frutos), vegetais verdes e na boca apresenta frescor devido à boa acidez, boa persistência e volume.

– Tintos:

DSC08555                          DSC08566

Quinta da Coelheira Reserva 2011 e Quinta do Casal Monteiro Clavis Aurea Reserva 2012.

Vinhos elaborados com corte de uvas, frutados e frescos, com madeira bem integrada, taninos agradáveis, bom corpo, equilíbrio e persistência.

A regularidade das ações da CVRTejo e a consistência de seus produtos estão sendo reconhecidas pelo consumidor, refletindo no crescente volume das vendas no Brasil.

Portugal tem avançado em suas conquistas no nosso mercado, provando mais uma vez que são produtores de vinhos de alta qualidade, reconhecidamente no mundo todo.

Colaboração: Eduardo Morya

Vinhos Casal da Coelheira Reserva e Marquesa de Cadaval surpreendem no evento de vinhos do Tejo

Estive na prova de vinhos do Tejo ocorrida em 13/04/2014 no Hotel Tívoli Mofarrej em São Paulo.

Casa Cadaval (2)

IMG_6872

 

Claro, como sempre provei vários vinhos de diversos produtores, sendo que alguns me surpreenderam bastante, como o Marquesa de Cadaval 2010, corte das uvas Touriga Nacional, Trincadeira e Alicante Bouschet.

Possui uma cor intensa, quase negra, com notas de flores, especiarias e chocolate.

Na boca é estruturado e muito equilibrado. Os taninos são macios e integrados. O final de boca revela persistência, elegância e bastante corpo. Estagio de 12 meses em barricas novas de carvalho francês. Exuberante!

Um vinho trazido pela Importadora Mercovino.

Casal Coelheira (2)

IMG_6853

Mas um dos vinhos que mais gostei foi o Casal da Coelheira Reserva Tinto 2011, corte das uvas Touriga Nacional, Cabernet Sauvignon e Touriga Franca.

Um vinho que ainda não faz parte do portfólio da Importadora Max Brands, mas que sem dúvida é adequado ao mercado brasileiro.

IMG_6858

Eu e o enólogo

Conversei com o enólogo e proprietário Nuno Falcão, que me contou um pouco da história da vinícola, suas vinhas de até 30 anos, e sobre o terroir e a região.

Um vinho que também estagiou por 12 meses em barricas de carvalho francês e americano. Frutado e equilibrado. Um vinho profundo de muita persistência, e corpo médio. Aveludado, elegante, inesquecível!

Provei uma infinidade de outros vinhos, entre brancos e tintos, alguns muito bons que oportunamente mencionarei.

Saúde!