Sushi, sashimi e vinhos. Buscando a melhor harmonização!

Estive em degustação no último dia 02/04 em companhia do pessoal da Wine Lovers, Jeriel da Costa (Blogueiro) e Angela (Vino Mundi). Provamos alguns vinhos vindos de Portugal. Foram três brancos, um rosé e um tinto, além de termos degustado descontraidamente um vinho de Toro, Espanha.

Seguimos para o Restaurante Japonês Ponkan, localizado em Higienópolis. Lá nos reunimos com o Rene e a Camilla da Cavatappi Enoteca.

Entre um prato e outro, pudemos degustar e harmonizar os vinhos do produtor nacional Valmarino (Espumantes e Prosecco), bem como os vinhos brancos D`Alessandro Inzolia 2010, vinho italiano da Sicília, o vinho Simonsig Chenin Blanc, da África do Sul e o tinto D`Alessandro Nero D`avola 2009, também da Sicília.

O vinho branco Inzolia, casou perfeitamente com tudo o que foi apresentado para a harmonização, bem como todos os espumantes, incluindo o Prosecco.

No caso do tinto, um grande risco para a tentativa de harmonização, ainda conseguimos apreciar no carpáccio de salmão, que veio com cebolinha, azeite e limão. Porém, o limão “brigou” feio no paladar com o tinto, é claro, mas nas partes sem o limão e com bastante azeite, foi perfeito!

No caso da Chenin, muito aromática, destoou na hora de harmonizar.

De qualquer forma, entre tentativas e erros, a noite foi perfeita!

Sushi e sashimi: A harmonização com os brancos

Há alguns anos atrás, não se admitia e até se repudiava, o casamento entre o sushi, sashimi e vinho. 

Wassabi ou raíz forte

Passados alguns anos, os especialistas se renderam às experiências, e hoje admitem perfeitamente o casamento.

É claro que a perfeição, ou a exata adequação ao prato, em relação ao vinho escolhido é mais difícil.

Quando temos ingredientes fortes, como o wassabi, a parte “picante” do sushi, ou mesmo o molho shoyo, poderá haver um choque no paladar, inclusive impossibilitando sensações mais intensas, pois a boca fica quase que anestesiada pela raiz forte.

Mas os vinhos brancos, como o Riesling, ou os Pinot Gris, ou ainda um Gewürstramminer, podem ser uma excelente opção bastante interessante e prazerosa.

 São vinhos alegres, frescos, aromáticos e juntando-se a isso, o bom apreciador dos pratos e dos vinhos, não há como errar e não sair satisfeito da experiência. Ela deixa de ser uma tentativa e se torna real, muito agradável.

Sushis: Alegres, coloridos, fantásticos!

Sashimi: Textura e sabor para bons apreciadores

O champagne ou espumante é outra sensacional opção. As borbulhas, o perlage, salpicam pequenas “alfinetadas” na língua, tornando intensos e marcantes a harmonização prato e vinho.

Champagne ou espumante. Ótima harmonização

Assim, mesmo errando em determinados momentos, aquele que não se deixa levar pela notícia imposta, mas sim, se coloca na posição de “tentar” e “experimentar”, com certeza terá a satisfação e o momento especial garantidos.