Tour pela Toscana, produtores, comida local e vinhos – Parte IV

Na manhã seguinte nos encontramos na recepção, todos os hóspedes que fariam parte no tour aos produtores de vinhos, seguiram em ônibus até o ponto de encontro e lá nos dividimos em pequenos grupos. No meu caso, meu grupo era formado por um americano e uma japonesa, ele comprador em Tampa, Califórnia, ela uma agente no Japão. Duas figuras!

Pig II

Nosso produtor nos conduziu á propriedade, onde nos apresentou sua produção, vinhos e também a criação de porcos, o Cinta Senese Pork, de onde se obtém os embutidos de todas as formas e variedades (leia mais em http://cintasenese.blogspot.com.br/). Deliciosos e inesquecíveis.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sentamos junto á família para almoçar e fomos brindados com uma gama enorme de vinhos e pratos. A conversa fluiu solta, em inglês, com diversos WOWs! Do americano e com um riso contido (hihihihi), da japonesa. E eu sorri. Um brasileiro na Toscana, entre um americano e uma japa, na terra de minha avó. Me senti feliz diante daquela mesa, da fartura, da quietude e da oportunidade de vida.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Gargalhei várias vezes, era inevitável e engraçado a conversa tanto pela comunicação e expressões de todos, como pela hilária situação de um brasileiro na Toscana em busca dos melhores vinhos e da melhor gastronomia.

Após a visita, partimos para outro produtor, malas arrastadas por toda a Toscana, no ônibus, nos carros, nos hotéis, na rua, vrammmmmm, lá iam as malas. Muitas malas, muitos trechos, muitas pequenas estradas abençoadas pela paisagem.

IMG_6475

O dia não havia terminado. Cada um foi conduzido ao seu quarto, após circularmos pela vinícola no novo produtor, um rapaz estranho, magro e de óculos, o enólogo da propriedade, um tanto delicado.

Mas meu assombro foi ainda maior quando olhei meu quarto, imenso, no meio do verde e das árvores da Toscana, um sonho. Com lareira, fogão, mesa, sofá, imenso.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Cansado, extremamente cansado e pensei: Vamos ao banho e para mais uma maratona. Prova de vinhos com harmonização do produtor. Mais um “massacre” gastronômico e etílico do dia.

Tomei meu banho quente e desci agasalhado. Seguimos para a parte interna da casa, onde nos aguardavam mais 12 vinhos para prova e harmonização prato a prato. Entradas, embutidos, queijos, massas, tudo estava lá, mas o corpo só queria dormir…

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nós três, eu, o americano e a japonesa já éramos íntimos. Sim íntimos nas conversas sobre tudo. O americano falava e gesticulava bastante, era intenso em suas colocações, falava com uma batata quente na boca. A japonesa era discreta, porém divertida e alegre. E lá estava eu novamente, pensando nas entrelinhas da vida abençoada. Rindo até me acabar.

Terminamos a noite com uma torta de sobremesa e claro, Vin Santo sem grappa desta vez.

063

Dormi como um anjo… ou quase…

Salame, embutidos e vinhos: Paixões italianas

Hoje vou falar um pouco de duas grandes paixões italianas: Vinhos e Salame.

Juntos resultam em um dos mais autênticos e inovadores produtos da antiguidade e do mundo atual.

Experimentar um Chianti, um Pinot Grigio ou um rosé com um salame, é poder se deliciar com a profusão de aromas, gostos e segredos inconfundíveis desta inusitada combinação. Que também pode vir acompanhada de um leve queijo fresco e torradas.

O salame é um embutido de origem italiana, o nome é derivado do verbo italiano: salare, que significa salgar.

Historicamente, o salame está associado aos camponeses italianos, como um produto de carne que podia ser armazenado à temperatura ambiente, por períodos de até um ano, constituindo um suplemento ao fornecimento escasso ou inconstante de carne fresca, em épocas mais remotas. 

Um salame tradicional é feito de uma mistura de ingredientes que pode incluir os seguintes:

– Carne de bovino ou de suíno cortada em pedaços; as versões industriais podem incluir carne de frango ou corações de bovino

Vinho

Sal

– Ervas aromáticas e especiarias diversas

A mistura crua fermenta durante um dia, para depois ser introduzida numa tripa comestível ou artificial, de papel, e pendurada para ser curada.

Embutidos

Na Itália, existem diversas variedades de salames. Em outros países, existem também outras variações. Em Portugal, existe inclusivamente o salame de chocolate.

Nos últimos anos, é crescente o número de produtos alimentícios com a denominação DOP (Denominação de Origem Protegida), em vez da DOC (Denominação de Origem Controlada). A DOP é conferida pela União Européia, no entando, a DOC se mantém como uma certificação válida.

Se buscarmos ao redor da Itália, veremos que cada região apresenta seus “embutidos” de maneira peculiar e própria, concedendo a tipicidade local, e formando apreciadores em todo o mundo.

E claro, com os vinhos não poderia ser diferente. Encontramos, por exemplo, vinhos com características bem definidas em solos diversificados, como os vinhos das encostas do Vesúvio, ou na Sicília. As temperaturas oscilam de local para local, a névoa recobre os vales, a altitude da um toque de frescor aos vinhos, que deixam suas marcas, principalmente nas típicas castas italianas e conjunção com as francesas.

Vinhos...

Falar de um Valpolicella, de um Chianti, de um Amarone ou dos Proseccos, é mergulhar em um vasto mundo de aromas e sensações intermináveis na profusão de regiões consagradas produtoras de vinhos da Itália.

Itália, ou “Enotria”, “Terra do vinho”…