Casa Valduga Leopoldina Gran Chardonnay D.O. 2012 é eleito o melhor nacional de 2013

Valduga 1

“Fineza e intensidade marcam seus aromas com generosa fruta tropical, notas florais e mineralidade. Amplo, envolvente, tem acidez refrescante e fina longo frutado”.

(Revista Gosto)

Valduga 2

Bem, que a qualidade era notória isto eu já sabia, mas que fosse uma unanimidade e isto se juntasse as minhas observações, ah, isso foi ótimo de saber!

Já em janeiro de 2013 quando estive na Valduga, não resisti e comprei 12 garrafas da safra 2011.

IMG_1950

Os aromas intensos, a qualidade e o esmero em todos os detalhes, o paladar adorável para quem é apaixonado por Chardonnays, tudo isto me encantou no primeiro momento.

E como um namoro que segue firme e se intensifica com o tempo, de paixão virou algo permanente, agradável e muito bom de se conviver.

Este branco não passa despercebido em nenhuma degustação ou ocasião. Ainda no ano passado, no evento da Valduga, fiz questão de degustar e “beber” literalmente, este vinho.

A notícia é recente, publicada esta semana na Revista Gosto.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O vinho tem lá seus particulares. Sua cor é viva e límpida.

No nariz notas aromáticas de abacaxi, carambola e pêssego em calda.

A baunilha e chocolate branco fruto de sua passagem em barricas romenas e francesas, trazem um diferencial.

Na boca apresenta bom corpo e estrutura, é vigoroso, harmonioso e sua acidez é marcante, tendo longa persistência.

Ideal para harmonizar com massas e carnes brancas. Mas gosto mesmo é de poder degusta-lo com calma e poder sentir, mesmo que sem alimento, toda a sua intensidade.

Saúde!

Ravin brinda 2014 com novidades de encher a boca: Francis Ford Coppola Winery

Copolla 3

Copolla 2

Mais uma vez a Ravin nos surpreende trazendo novos vinhos ao portfólio.

Agora foi a vez dos vinhos de Francis Ford Coppola, o famoso cineasta e sua vinícola adquirida em 1976.

São três vinhos selecionados para o nosso mercado:

Chardonnay, Zinfandel (na verdade um corte) e o “Director’s Cut, um blend de Zinfandel, Cabernet Sauvignon, Petit Verdot e Cabernet Franc.

Estou escrevendo este texto e provando nesta noite absurdamente quente, o Coppola Rosso & Bianco Chardonnay 2012.

Copolla 4

IMG_6192

Sobre este vinho é que vou falar e comentar, os outros, ah! Deixa o tempo ficar adequado e iremos provar e comentar.

Vinho untuoso, com ótimo corpo, robusto para um branco, um ótimo Chardonnay de Sonoma County.

No nariz, frutas tropicais, abacaxi e maça.

Na boca, é volumoso, intenso, leve toque amanteigado, não apresenta nenhum traço de limão, ou azedume, ou mesmo amargor. Apresenta na boca notas de pera, e muita fruta tropical mesmo, como abacaxi e um leve toque de tangerina, bem distante.

Vinho corretíssimo, muito fresco, ideal para ser tomado á partir de 6° e deixar apresentar todo o seu esplendor.

Vinho fermentado em aço inox, nenhuma referência de madeira. Um Chardonnay de corpo, alma e espírito.

Deixei parte dele esquentando na taça, e lá vão os aromas se intensificando, adocicando nossos sentidos.

Um vinho que vai bem com carnes brancas e peixes. Provei com um frango grelhado, bem leve e com uma saladinha de verão, folhas e tomate com pouco tempero.

Não é de se admirar que o mestre Coppola tenha acertado. Como um artista que desenvolve sua obra, seus filmes, o vinho segue os passos do cineasta, trazendo complexidade e envolvimento.

Coisa de cinema? Com certeza.

Une a boa arte na elaboração e com um final de quero mais!

Coppola 1

IMG_6194

Onde encontrar: Importadora Ravin

Preço de mercado: R$ 108,00

www.ravin.com.br

Tel.: (11) 5574-5789

Suvaco de Anjo 2013: Vinho de garagem com nome inusitado

IMG_5979

Tive a oportunidade de provar no ano passado este vinho, quando da Primeira Feira de Vinhos Naturebas da Enoteca Saint Vin Saint.

Posteriormente, provei com mais calma a garrafa que comprei, antes do natal, mas como as coisas são corridas, somente agora conclui o texto.

Claro, de cara o vinho já me chamou a atenção pelo nome sugestivo e bem dentro do espírito do Blog Vinho dos Anjos: Descontraído, sem frescuras e para poucos que apreciam.

Meu Blog busca se expressar de forma direta e sem rodeios, como eu digo “Uma forma diferente de ver e tratar os vinhos”.

Mas vamos ao Suvaco. Composto de duas uvas, a Pinot Noir vinificada em branco (75%) e de Chardonnay (25%). Possui cor intensa, resultado de sua “não filtragem”.

Conversei com o Eduardo Zenker, proprietário da vinícola e também quem elabora o vinho.

As informações passadas foram exatamente as que percebi no vinho.

As uvas são provenientes de seu próprio vinhedo, localizado em Garibaldi, masi precisamente em Carlos Barbosa, RS, sendo que as duas foram vinificadas juntas. Primeiro a Chardonnay foi esmagada, em seguida juntou-se o mosto da Pinot Noir.

Foram feitos mais de 2000 litros do preparado para o vinho, sendo que para este vinho são previstas de 300 a 500 garrafas de produção, dependendo da demanda, quando serão engarrafadas.

IMG_5725

Tem leveza, baixo teor alcoólico (10,4%) e uma cor exuberante, um alaranjado, meio salmão, puxando para tons brilhantes de amarelo.

O Vinhedo: Vinhas da Loucura.

Não tem a limpidez de um vinho filtrado, apresenta opacidade, e nem precisa ser límpido, sua proposta é outra, é a experiência do vinho da taça para a boca.

Envolvente, bem fresco, tem um corpo médio e envolvente.

IMG_5724

Talvez a referência aos anjos tenha sido dada por ser realmente envolvente, delicado, meio enigmático, sutil.

O suvaco, uma referência aos aromas estranhos, dificilmente identificáveis á nossa biblioteca olfativa, mas vamos lá, pode ter um toque de suvaco mesmo, na sutileza achada no seu esplendor.

Vale a experiência, vale a experimentação sem comparativos, isto é Suvaco, Suvaco de Anjo, agora, no Blog Vinho dos Anjos. Salut!

Contato para pedidos:

Eduardo Zenker

edu.zenker@yahoo.com.br

A Chardonnay, uva emblemática de utilização ampla, tem seus mistérios

Chardonnay

A Chardonnay é uma uva plantada em quase todas as regiões do mundo e uma das castas preferidas para a produção de Champagne, pela elegância, pela intensidade aromática e pela complexidade que confere ao vinho.

Uva de pele verde e que produz vinhos brancos e espumantes, superada no plantio apenas pela uva Airen. Uva que torna o vinho rico em sabores e aromas como o do pêssego, o melão, a maça verde, o limão e a pera, evidenciando as frutas cítricas (Climas mais frios) e tropicais (Climas quentes). Variando dos vinhos mais leves e delicados, aos mais estruturados e encorpados.

O sabor e os aromas são derivados principalmente das peles da uva, que conferem aos vinhos toda a essência das características de frutas cítricas.

Tanto utilizada em sua expressão máxima da fruta, sem passagem por madeira, como em passagens que vão do suave aos vinhos mais amadeirados, sempre em busca de maior complexidade em aromas e no paladar, somando características de baunilha e amanteigados.

Em alguns casos, é e foi muito utilizada em contato com o carvalho de forma excessiva e abusiva, principalmente no Novo Mundo e em vinhos de baixo valor ao consumidor. São os chamados “Heavy Carvalho”. Estilo que hoje incomoda o grande apreciador desta uva e dos vinhos feitos por meio delas.

Compõe os grandes vinhos brancos da França, onde se desenvolveu, como os da região da Borgonha, de Chablis e Champagne, sendo também muito cultivada na Califórnia (Napa, Sonoma, Mendocino) onde seu plantio alcança 40% de área plantada, no que se refere ás uvas brancas. E ainda muito difundida na Austrália e Nova Zelândia.

É uma casta que se adapta perfeitamente em regiões de clima frio e também em regiões secas e quentes.

O “terroir” parece ser o grande aliado desta casta, pois em cada região, confere características diferentes e próprias que aliadas ao fator de passagem ou não pelo carvalho, conferem seus diferencias e sutilezas únicos.

Em garrafa os sabores são geralmente aqueles que carrega de seu “terroir” ou ainda somados pela passagem maior ou menor pelo carvalho, tornando-se o veículo perfeito para produtores que querem mostrar o caráter de sua vinha e demonstrar a arte particular de técnicas de vinificação. Longas fermentações frias e engarrafamento precoce são tão adequados para esta variedade, como a fermentação e envelhecimento em carvalhos novos ou ligeiras passagens em carvalhos de segundo e terceiro usos.

A Chardonnay parece não apresentar quaisquer problemas especiais no plantio, exceto talvez em sua origem e berço, a Borgonha onde a brotação precoce pode torná-la vulnerável às geadas da primavera. Em outros lugares, porém a Chardonnay cresce tranquila e se adapta aos novos ambientes com muita facilidade.

Poucas uvas brancas são capazes de produzir vinhos com tamanha complexidade e capacidade de envelhecimento como a Chardonnay. Pode-se dizer que ela é um dos verdadeiros clássicos do mundo, uma casta nobre.

A história da uva Chardonnay se origina de uma aldeia do mesmo nome em Macon que fica na região francesa da Borgonha, local mundialmente famoso. Acredita-se que o vinho Chardonnay foi distribuído por toda a França por monges cistercienses.

A primeira referência conhecida ao vinho Chardonnay foi escrita por monges no ano 1330. Os monges cistercienses (acredita-se) foram os primeiros a plantar a uva Chardonnay em seus vinhedos com a finalidade de produção em massa e distribuição de vinhos.

Ao longo da história a Chardonnay, sempre se apresentou com características notavelmente consistentes. A uva nasce de uma trepadeira vigorosa, com cachos de tamanho médio. Uma vez maduros eles são de uma cor amarelo dourado e brilhante, seus bagos são muito pequenos e frágeis e com uma pele fina, o que exige muito cuidado durante a colheita e manuseio para não arruinar toda a produção.

São uvas muito sensíveis ao seu meio ambiente o que significa que os vinhos elaborados com a Chardonnay têm um gosto distinto e sabor que pode variar muito em complexidade, cultivadas em climas mais quentes tendem a ter um toque de mel maravilhoso e cultivadas em climas frios produzem vinhos com uma abundância de sabores frutados e cítricos.

Vinificação

A Chardonnay pode ser utilizada para qualquer estilo de vinhos, desde os vinhos chamados tranquilos, aos vinhos espumantes e também de colheita tardia e botritizados. Mesmo não sendo tão suscetíveis à chamada podridão nobre.

As barricas podem ser utilizadas durante ou após a fermentação. Dentre os sabores decorrentes da utilização do carvalho, podemos perceber o caramelo, fumo, especiarias, coco, canela, cravo e baunilha. Outras decisões de vinificação que podem ter um efeito significativo incluem a temperatura da fermentação e o tempo a ela exposto.

A Chardonnay e as harmonizações

Na harmonização, a Chardonnay vai bem com molhos cremosos, aves e frutos do mar. Também harmoniza perfeitamente com queijos leves, como o gruyère ou o provolone. Ostras e salmão também combinam com os sabores cítricos de um Chardonnay típico. Mas estas são harmonizações sugeridas de forma ampla, pois a complexidade da Chardonnay há de ser avaliada em todo o seu estilo próprio e conferido pelo “terroir” de origem.